A grande contribuição de José Serra

“Serra, com sua campanha desesperada, resgata quem ele tenta esconder.”

A grande contribuição de José Serra para a política brasileira, foi fazer com que muitos, subitamente, se dessem conta o quão elevada foi a disputa política com o FHC.

A grande contribuição de José Serra para a economia brasileira, foi fazer com que muitos, subitamente, se dessem conta o quão positivo foi fazer o debate econômico com o Pedro Malan.

A grande contribuição de José Serra para a luta pelos direitos das mulheres, foi fazer com que muitos, subitamente, se dessem conta, que na verdade, foi uma honra ter do outro lado, gente com a estatura de Ruth Cardoso.

Assim, só posso dizer uma coisa: Muito obrigado, José Serra.

FSP – Editorial: O Papa e o Aborto Legal [03/10/1997]

Folha de S.Paulo – Editorial: O PAPA E O ABORTO LEGAL – 03/10/97

O PAPA E O ABORTO LEGAL

A visita do papa João Paulo 2º ao Brasil talvez venha a servir como pretexto ou instrumento de uma ofensiva contra o projeto, em tramitação no Congresso, que obriga os hospitais públicos a realizar o aborto nos casos previstos por lei.

A condenação do aborto, em qualquer circunstância, ocupa lugar de destaque na agenda da visita papal, dedicada em grande parte à “defesa da família”. Segundo consta, ele pedirá ao presidente Fernando Henrique Cardoso o veto à lei que autoriza a interrupção da gravidez decorrente de estupro ou que coloque em risco a vida da gestante.

É preciso desde já desfazer um equívoco. O papa tem todo o direito de se dirigir a seus fiéis para reforçar as crenças da Igreja Católica, da qual é o chefe supremo. Isso não significa, entretanto, que deva interferir na condução das leis e do Estado brasileiro, que é laico e deve se pautar por princípios republicanos.

A primeira-dama Ruth Cardoso, que vinha evitando se posicionar publicamente a respeito do aborto legal desde que a polêmica surgiu, há dois meses, manifestou-se, enfim, de modo hábil ao dizer que “esse é um problema da sociedade brasileira”. Problema da sociedade é mesmo a expressão correta na medida em que o direito ao aborto legal no Brasil é hoje um privilégio das mulheres que podem recorrer a hospitais privados.

Talvez exatamente por estar prevendo os efeitos da cruzada antiaborto liderada pelo papa sobre os parlamentares, a primeira-dama tenha dito, numa tirada de efeito, que “a relação entre o Congresso Nacional e o papa é zero”. É sabido que não é, mas a frase aponta para o imperativo de que o teor das leis não deve ser determinado, a priori, por crenças religiosas, que dizem respeito a questões de consciência -individuais, portanto. De outro modo, podem vir a ser feridos os princípios republicanos da universalidade e da igualdade de direitos.

O segundo turno e a ingratidão da classe “mérdia”

"Não, não é Fortaleza. É a casa dos sonhos da nossa classe média."

Alguém (não sei se foi amigo ou se li por ai) disse que o problema do Brasil era a sua “classe mérdia” ignorante. Fiz aquela cara da “boca torta”, sacumé? Não concordava muito com o conceito e como sabem, sou um liberal de esquerda – bem menos “esquerda” do que já fui antes, o que parece ser a “ordem natural das coisas” – mas esse “desvio para o centro” não me impediu de ainda ter aquela visão que o “problema do Brasil” é essa “elite golpista”.

Mas meus caros, as últimas pesquisas eleitorais, que mostram uma queda daquela que representa a continuidade do Governo Lula, e a chance real de um segundo turno, me fazem mudar de opinião – definitivamente – pois o problema do Brasil é exatamente essa “classe mérdia”. Pra sermos justos, como classe média (chega de brincadeira, pq o assunto é sério) defino, quem já era classe média antes do governo Lula, e aproximadamente, hoje correspondem aqueles que foram massacrados no governo FHC. Vou facilitar, é a turma que tinha carro e casa antes do Plano Real (estou aberto a correções nessa simplificação).

Oras, os caras comeram o pão que o diabo amassou na era FHC, e hoje, a quem tem devoção? Essa turma, que dá valor a estabilização (como eu) simplesmente detesta o PT. Não sei como explicar, mas pretendo (rs). Essa classe média, segundo minhas pesquisas, é aquela que assina Veja e lê a Folha e Estadão (se não for de SP, acaba lendo só os colunistas, que conseguem propagar o lixo que escrevem por quilometros de distância, tipo uma chuva tóxica, tipo aquele mar de plástico no Pacífico) e assiste, diariamente, a Globo.

O problema desses caras, é que eles acreditam nesse pseudo-jornalismo, absorvem tudo e quando acham uma história inverossimel, bem, ai concedem o beneficio da dúvida, só que contra o réu. Invertem o ônus da prova. Mas se você for olhar no microscópio, os caras NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS ganharam tanto dinheiro. Nunca antes…se deram tão bem. Talvez somente na virada do Plano Real, tenha ocorrido um efeito dessa magnitude. Então pq diabos são tão ingratos?

Eu tb sei valorizar a estabilização monetária, mas nunca fechei meus olhos para as besteiras que o FHC estava fazendo. Pulei fora do barco quando o FHC não teve coragem de sacar o Gustavo “Napoleão Bonaparte” Franco do BC. E faria o mesmo com o Lula se concluisse que sua inação – motivada, seja por incompetência, seja por estratégia política – fosse jogar o Brasil no buraco, como o Titanic rumo ao iceberg. Lula sempre andou descalço nessa navalha, mas entre mortos e feridos, cá estamos. Então, pelo resultado, podemos dizer que ele mandou bem.

Se colocarmos tudo isso na balança, e for intelectualmente honesto, decidiríamos como o próprio Lula decidiu. Não fazer nada. E se for fazer, fazer com cuidado. Na prática, meus caros, a teoria é outra. É muito fácil alguém garantir no papel, que uma queda brusca nos juros será “indolor”, que uma centralização do câmbio (aliás, o que propoem mesmo? Pq alguma coisa tem que ser colocada no lugar do que está ai.), só trará benefícios para a Nação. Agora qdo se põe aquela faixa no peito, senta que o peso é imenso.

Esse povo acredita em qualquer email que recebe. Se tiver powerpoint, ai que virá prova do crime. Essa galera, é extremamente susceptivel a questões religiosas, ou fatos, como chavismo e a “bolivarização do Brasil”. E isso, talvez ocorra por um único motivo: a classe média é ignorante. Tá bom, prometi parar de generalizar: grande parte da classe média é ignorante. Eles dão valor à estabilização monetária conquista com o Plano Real, mas fecha os olhos para a promiscua privatização e ignora completamente a pornográfica valorização excessiva do câmbio. Eles citam os grandes escândalos de corrupção, mas emudencem qdo são confrontados com a clara seletividade da mídia.

Se tivermos segundo turno será por conta dessa boataria. A gente esperava uma bala de prata. Ela não veio, mas em compensação veio um veneno gasoso. Sorrateiramente entrou pelas frestas da janela, vinda do submundo da política. Usando emails, usando parte da mídia, mas principalmente, usando alguns religiosos. E por favor, não ignorem a realidade, basta que saiam do twitter por alguns minutos, para ouvir o que o “povo” está falando. Se não fosse assim, não teriamos “batismos”, não teriamos “encontros com líderes religiosos” e não teriamos o agradecimento a Deus no fim do debate. Essas é a causa dessa reversão na reta final. É óbvio que as pesquisas internas acusaram o “golpe” e tentaram reagiram.

Se tivermos segundo turno será exclusivamente por conta dessa classe média, que se considera culta, que se considera bem informada, mas no fundo são só superficiais, ignorantes e ingratos. Preferem acreditar em boatos e mentiras do que decidir pela manutenção de um projeto que tanto lhes fez bem.

PS.: Por um problema no ScribeFire perdi esse post, estou recuperando-o e os comentários ficaram no post errado. Vou apagar lá e colar aqui.

Eu tenho uma teoria.
Acrescentando ao fato de que esse classe média foi criada a base de Folha, Globo, Veja e etc… acredito que, apesar de se declarar “informada”, ela nunca passou do primeiro parágrafo. Não foi educada para isso. Não questiona. É, acima de tudo, preguiçosa. É preconceituosa e, não gostando disso, encontra nesse meio uma cortina de fumaça. QQ coisa que esconda seu preconceito, vale. Engole sem questionar.
Uma teoria…

Comentário por Alê M. — 03/10/2010 @ 00:12 | Editar | Responder

Quer que eu desenhe? :: Investimentos do Governo Federal (1995 a 2010)

“Entenderam pq a mídia não fala mais de Economia?”

Elevar os investimentos em relação ao PIB é o próximo grande desafio pois significa pavimentar o caminho para poder crescer mais sem inflação, reduzindo os juros básicos e equilibrando o câmbio. Mas acho que a “equipe da Dilma” está consciente disso.