A Privataria Tucana

Ao contrário do que muitos pensam, eu estou interessado no livro não para descobrir algo de novo sobre os tucanos (afinal, depois da Satiagraha, já sabemos e temos as provas do quanto esse processo foi sujo), e sim ligar os pontos sobre a luta interna dos petistas e tucanos.

Vou contar uma história (adaptada) que vi no “The West Wing“:

“Um deputado petista novato, no primeiro mandato, chega todo empolgado na Câmara e pergunta pra um sênior, veterano, com vários mandatos nas costas. E pergunta:

– E ai? Aonde estão nosso inimigos, os tucanos canalhas?

O veterano responde:

– Os tucanos não são nossos inimigos. São nossos adversários.

– Ué? Então quem são os nossos inimigos?

– (Todo) o Congresso.

É claro que essa história vale também pros tucanos.

Na política, as pessoas levam bem a sério a recomendação do Sun-Tzu pra manter seus aliados próximos, mas seus inimigos mais próximos ainda.

PS.: Como o livro já está esgotado, colocaram dois capitulos online: Cap. 8 e o Cap. 11. Dá pra ir degustando.

PPS.: Um blog é pra experimentar coisas novas, seja na forma, seja no conteúdo. Às vezes da certo, às vezes não. Vida que segue.

Anúncios

Quer que eu desenhe? :: Dívida Líquida do Setor Público (DLSP)

“Entenderam pq a mídia não fala mais de economia?”

Esse é o legado tucano – que a mídia não fala – DLSP em 60%, mesmo após as privatizações bilionárias. Afinal, para aonde foi parar o dinheiro?

Realmente, o maior problema do Brasil é a Erenice e seus parentes lobistas.

PS.: Quem quiser receber os posts por email é só assinar o blog ai do lado
(opção “Receba o Blog por email”) que vc receberá os posts na integra por email. Quem precisar de um dos já postados, fazer enviar o pedido para o email ao lado (muitopelocontrario@gmail.com).

Quer que eu desenhe? :: Investimento Público vs Privatizações vs PAC

“Esse gráfico é sensacional. Por favor espalhem.”

Em um único gráfico resume o núcleo da diferença do projeto para o Brasil. Uns destroem. Outros constroem. Simples assim.

Não é preciso falar mais nada, até o Homer Bonner e é capaz de entender esse.

Vender tudo o que der pra vender

“Em 10 min dá pra entender como os anos 90 serão lembrados como um neo-neocolonialismo, e nós meros índios felizes por termos ganho espelhos.”

Qdo assisto isso, me doi o coração, me vem à cabeça as horas (e isso não é uma figura de linguagem) que passei no telefone sendo atendido, e na maior parte das vezes não sendo atendido (pois derrubavam a ligação) pelas nossas modernas, eficientes e competentes empresas telefônicas. Lembro de cada centavo que eles me roubaram, e continuam roubando nas minhas contas telefônicas. Prevejo os dias que perderei na Justiça pra lutar contra esse sistema que nos foi vendido como melhoria de vida, como evolução econômica e na verdade, era só uma falácia repetida pelos papagaios da mídia brasileira pra tentar justificar um processo de privatização espúrio e corrupto.

Qdo assisto isso, me doi o coração por saber que uma empresa como a Vale, hoje derruba matas virgens e cria crateras na terra, destruindo a nossa natureza mais que dezenas de Belo-Monte’s pra tirar minérios que são exportados sem processamento algum, para a China e para a Índia (só pra ficar em países que estão no mesmo estágio de desenvolvimento que nós). E esses mesmos países nos inundam com produtos industrializados com dumping nos preços e tarifas subsidiadas só para matar nossa industria. E qdo um presidente insistentemente pede para a Vale processar alguma parte das suas exportações é taxado como autoritário, mesmo sendo, ainda um grande acionista da empresa.

Na verdade, nos anos 90, houve a transferência de recursos do Estado brasileiro para a velha e a nova elite de financistas (os recursos foram pulverizados na chapa quente de uma taxa de juros que chegaram a absurdos 45% a.a. naquela epoca). Não, os recursos não foram investidos em escolas, em saúde ou ciência e tecnologia. Foram jogados para essas hienas devorarem, e como se não fosse o bastante, aceitaram todo o tipo de título podre existente, em nome da construção de uma suposta “credibilidade nos mercados financeiros internacionais”.

Essa mesma nova-velha elite que criou o Instituto Millenium pra taxar o governo de autoritário, de chavista ou de bolivariano, incubou e gerou no seu ventre Daniel Dantas, economistas que sairam Governo e hj são ricos proprietários (ups, gestores) de Corretoras que tem entre seus clientes os mesmos políticos, juízes e promotores que deram suporte institucional para suas promiscuas atividades.

Não é por acaso que dificilmente teremos acesso à lista de investidores brasileiros de fundos como o Opportunity Fund (e não se enganem, outros espalhados por ai). Não por acaso empresas como a Alstom continuam suas atividades normalmente aqui no Brasil. Só são investigadas pq foram arrogantes demais e resolveram corromper até nos países ricos.

Então meus caros, não é só uma questão em quem votar. É uma questão de participar ativamente da política e principalmente, de cobrar – pelo menos nesse momento – mais debate dos candidatos. Pq é assim que funciona na democracia. Pq é assim que veremos os compromissos dos candidatos não com o nosso futuro, mas dos nossos filhos e netos.