The Guardian :: “Como foram vazados os 250.000 telegramas das embaixadas americanas”


“@WikiLeaks – #CableGate :: É incrível como a Lady Gaga está em todas.”

 

Agora sério. Guardem esse nome: SIPRNET, a internet secreta americana. A culpa, os técnicos dizem, é sempre dos usuários (segundo relatos, relaxaram a segurança para “facilitar o uso”). Por isso, na minha época de “SysAdmin“, sempre pegava pesado com os usuários :-).Agora o moleque ai – Bradley Manning, agente de inteligência, o mesmo que vazou o “Collateral Murder” – pode pegar só 52 anos de prisão.

E ai? Encararia essa em nome da “transparência radical”?

ajude o WikiLeaks. Doe agora!

How 250,000 US embassy cables were leaked | World news | The Guardian

How 250,000 US embassy cables were leaked

From a fake Lady Gaga CD to a thumb drive that is a pocket-sized bombshell – the biggest intelligence leak in history

David Leigh
guardian.co.uk, Sunday 28 November 2010 18.14 GMT

An innocuous-looking memory stick, no longer than a couple of fingernails, came into the hands of a Guardian reporter earlier this year. The device is so small it will hang easily on a keyring. But its contents will send shockwaves through the world’s chancelleries and deliver what one official described as “an epic blow” to US diplomacy.

The 1.6 gigabytes of text files on the memory stick ran to millions of words: the contents of more than 250,000 leaked state department cables, sent from, or to, US embassies around the world.

What will emerge in the days and weeks ahead is an unprecedented picture of secret diplomacy as conducted by the planet’s sole superpower. There are 251,287 dispatches in all, from more than 250 US embassies and consulates. They reveal how the US deals with both its allies and its enemies – negotiating, pressuring and sometimes brusquely denigrating foreign leaders, all behind the firewalls of ciphers and secrecy classifications that diplomats assume to be secure. The leaked cables range up to the “SECRET NOFORN” level, which means they are meant never to be shown to non-US citizens.

As well as conventional political analyses, some of the cables contain detailed accounts of corruption by foreign regimes, as well as intelligence on undercover arms shipments, human trafficking and sanction-busting efforts by would-be nuclear states such as Iran and Libya. Some are based on interviews with local sources while others are general impressions and briefings written for top state department visitors who may be unfamiliar with local nuances.

Intended to be read by officials in Washington up to the level of the secretary of state, the cables are generally drafted by the ambassador or subordinates. Although their contents are often startling and troubling, the cables are unlikely to gratify conspiracy theorists. They do not contain evidence of assassination plots, CIA bribery or such criminal enterprises as the Iran-Contra scandal in the Reagan years, when anti-Nicaraguan guerrillas were covertly financed.

One reason may be that America’s most sensitive “top secret” and above foreign intelligence files cannot be accessed from Siprnet, the defence department network involved.

Continuar lendo

Anúncios

Jobim e o batismo de fogo de Dilma

“Situação Insustentável? Veremos.”

Como até as pedras do Planalto estão sabendo no momento – os arquivos foram liberados hoje, e pelo visto tem muita coisa ainda a surgir – a chapa esquentou para o (ex?) Ministro da Defesa Nelson Jobim. A liberação dos telegramas da embaixada dos EUA no Brasil, com o resumo da sua visita é devastador.

Fogo amigo do PT fica parecendo brincadeira de criança. E vêm exatamente após surgir na mídia notícias que a sua permanência no governo estava “praticamente” acertada com a presidente Dilma, a pedido de Lula. Estava. O pior não foi a avaliação do anti-americanismo, mas ter revelado informações de Estado, que lhe foram confiadas pelo Presidente da República.

Ele pode ser a primeira grande baixa desde que o pessoal do @WikiLeaks liberou as informações. Aliás os EUA estão numa situação crítica, essas informações vão revolucionar alterar significativamente as relações exteriores. Nada será como antes. Eu acompanho o WikiLeaks desde faz tempo, e infelizmente, nossa mídia está completamente despreparada para o que esses caras estão fazendo. No momento estão correndo atrás.

De qualquer forma, para nós, a grande questão é como a Dilma vai reagir ao primeiro grande problema sobre a sua mesa. Muitos torcem para a saída do Jobim. Eu também não gostei da atuação dele na Satiagraha (ajudando a tirar o Paulo Lacerda), mas sinceramente tenho muitas dúvidas se encontraremos algum civil para o Ministério da Defesa que consiga “enquadrar” – não é o termo correto, eu sei – as Forças Armadas e continuar conduzindo as mudanças institucionais e a reestruturação material delas. Mas eu já disse que sou um pragmático? Então.

Temo ainda mais pelo F-X2. E tenho mais ressalva de quem afirma que a sua saída não causará mais atrasos nesse processo. Lembrem-se, o Lula bancou seu nome ao aconselhar a Dilma, não foi porque gosta dele como pessoa, mas porque é um monstro político e sabe o quanto sofreu nessa área. Pelo menos no caso da Marinha o processo está bem encaminhado, e meio que imune a mudanças no Ministério da Defesa.

Mas e agora? A situação do Jobim se tornou – não existe outro termo – insustentável. Imaginem a situação constrangedora numa reunião de cúpula na Unasul, por exemplo. Ou, de que adiantou aquele duríssimo discurso na UE (Portugal) contra a proposta americana (New Strategic Concept) de usar a OTAN para supervisionar o Atlântico Central (eufemismo pra dizer Atlântico Sul)? Aquilo se dissolveu no ar, pois foram palavras públicas, isso que estamos lendo, é o jogo concreto, pesado, que é feito nas entranhas do poder.

O caminho natural seria o pedido de demissão. Mas ele sempre foi um puta jogador (político) gostem ou não, principalmente no ataque, de maneira silenciosa. Como disse, vamos ver como joga sob o fogo da “artilharia de saturação” sobre sua cabeça. Quem sabe ele não consegue resistir? Eu, no momento, duvido.

Mas é preciso ressaltar: longa vida ao @Wikileaks. O #CableGate é a prova da frase do juiz da Suprema Corte Americana Louis Brandel: “A luz do sol é o melhor dos desinfetantes”. A política externa dos EUA está nua, e não é uma cena bonita de se ver.”

WikiLeaks :: Cable Viewer

Viewing cable 08BRASILIA351, SCENESETTER FOR THE VISIT OF MINISTER OF DEFENSE

Continuar lendo

Pepe Escobar :: “A geopolítica dos oleodutos e gasodutos”


“A imagem é velha, mas dá pra dar uma idéia.”

Ignorar o jogo de xadrez que se tornou a geopolítica na Eurasia é simplesmente se alienar. É trocar a realidade pela ficção. O jogo pesado está sendo jogado. Agora somos uma peça (importante) nesse tabuleiro. Não dá pra fugir disso.

Eu não canso de repetir, a agenda desses caras é medida em décadas, não em anos. Deveríamos aprender essa lição o quanto antes. Somos grandes, ocupamos espaços.  Geopolitics for Dummies:: Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes…

Então é melhor nos armarmos até os dentes, com a única arma que realmente funciona nesse jogo: a informação. Nesse sentido eu simplesmente não compreendo por que a mídia não tem correspondentes nessa região?

Fiquemos então, com o Pepe Escobar.


PCB – A geopolítica dos oleodutos e gasodutos

A geopolítica dos oleodutos e gasodutos

30 Outubro 2010

Apostando e blefando em um Novo Jogo

Pepe Escobar, Global Research

Os historiadores do futuro estarão facilmente em acordo com o fato de que a Rota da Seda do século XXI inaugurou seu comércio em 14 de dezembro de 2009. Esse foi o dia em que uma trama crucial de canalizações entrou em funcionamento, unindo o estado de Turcomenistão (fabulosamente rico em energia), através do Cazaquistão e Uzbequistão, com a província de Xinjiang, no longínquo oeste da China. A hipérbole não impediu que o presidente do Turcomenistão, que tem o espetacular nome de Gurbangulí Berdimujamédov, jactar-se: “Este projeto tem não somente valor econômico ou comercial, mas também político. China, através de uma acertada política com visão de futuro, se converteu num dos garantidores chaves da segurança global”.

O resultado final é que, para 2013, Xangai, Guangzhou e Hong Kong alcançarão, a velocidade de cruzeiro, cada vez maiores alturas econômicas por cortesia do gás natural subministrado pelo chamado Gasoduto Central, que se estende ao largo de 1.833 quilômetros.

Continuar lendo

The Coolest Guy in the World


“Os cartuns do KAL na The Economist tb são sensacionais, não?”

Eu sou prova, o Krugman logo no lançamento do plano avisou, quase aos gritos, que era timido demais. Foi muito criticado, agora está cobrando a fatura.

Agora a mídia está enterrando o Obama antes da hora. O cara, ainda não está morto não. É hora de, habilmente, dobrar a China.


É hora de Obama tentar algo diferente na economia dos EUA – 05/11/2010 – UOL Notícias – NYT – Paul Krugman

05/11/2010 – 02h00

É hora de Obama tentar algo diferente na economia dos EUA

Paul Krugman

Os democratas, declarou Evan Bayh em um artigo de opinião no “New York Times” na quarta-feira, “exageraram ao se concentrarem no atendimento de saúde em vez da criação de empregos durante uma recessão severa”. Muitos outros têm dito a mesma coisa: a noção de que o governo Obama errou ao não se concentrar na economia está se consolidando em um ponto pacífico.

Mas eu não tenho ideia do que as pessoas querem dizer quando dizem isso. Todo o foco no “foco” é, no meu entender, um ato de covardia intelectual – uma forma de criticar a atuação do presidente Barack Obama sem explicar o que essas pessoas teriam feito de modo diferente.

Continuar lendo

QE2


“#Fear, for sure”

Pra quem está boiando, o WSJ fez um Q&A sobre QE (Quantitative Easing, QE2 é a segunda rodada), que é imprimir dinheiro,só que eletronicamente, para comprar o títulos americanos no mercado, derrubando o juros, e teoricamente, tirando a economia americana da lama (novamente). Só que, cuidado para não cair de cara nela.

Para o Brasil o efeito imediato é mais dinheiro entrando para ganhar com o diferencial de juros e fazendo lucros fáceis, mas derrubando ainda mais a cotação do Real (o que ferra as exportações e eleva o deficit externo). O medo é a certeza que essa galera que está em volta da Dilma não tem noção do que vamos enfrentar (como disse, por exclusão, a galera do Serra (ele, ele mesmo e Irene) seria mil vezes pior)). Ou esses caras são putos atores, daqueles que estudaram muito Stanislavski, e disfarçam bem pra baralho.

O Lula pode usar essa popularidade pra alguma coisa. Tipo, um mega pacote de ajuste fiscal, coordenado com uma redução dos juros básico a fim de reduzir imediatamente o diferencial (acho que o Nakano pós no papel um plano desse tipo). Alguém avise pra eLe que IOF não vai resolver isso não. Ele e a Dilma, vão lá na reunião do G20. Pelo visto não aprenderam nada com os chineses. Pressão, não vai resolver também.

Eu já cai na lábia desses asiáticos uma vez. De novo não. É hora de se preparar para o pior, e se preciso for, erguer barricadas (um plano de contingência sempre à mão, pelamordedeus).

PS.: Muitos, enquanto enebriados, comemoram uma vitória que já está no passado, vão se assustar com a mudança de “tom” no blog. Só lágrimas, já disse mais de uma vez, o título “muito pelo contrário”, não é por acaso.


Q&A on QE2: What a Fed Move Would Mean – Real Time Economics – WSJ

WSJ Blogs
Real Time Economics
Economic insight and analysis from The Wall Street Journal.

* November 3, 2010, 5:00 AM ET

Q&A on QE2: What a Fed Move Would Mean

By Sudeep Reddy

The Federal Reserve is expected to announce a new round of bond-buying today to lower long-term interest rates to boost the economy.

Debate is raging inside and outside the Fed about how much good it will do, if any. Proponents say purchasing hundreds of billions of dollars more in Treasury bonds will provide only modest support for the economy. Foes warn that it could backfire by pushing up commodity prices, sowing seeds of unwelcome inflation in the future, or by undermining confidence in the Fed’s ability to manage — and eventually reduce — its holdings.

Ahead of the Fed’s 2:15 p.m. announcement, here’s a rundown of the key issues:

What is quantitative easing, or QE?

It’s the electronic equivalent of starting up the Fed’s printing presses to create money for buying financial assets in the market – in this case long-term U.S. Treasury bonds. Buying bonds pushes down their yields, and the interest rates across the debt markets that are closely tied to U.S. Treasury rates.

Continuar lendo

Mundial de Basquete :: Brasil vs EUA

“#MundialdeBasquete #Brasil vs #EUA”

Não assisti ainda, mas deve ter sido um jogão. Acho que agora com esse time, o basquete brasileiro vai ressurgir das cinzas.

Já era hora.

Brasil levanta torcida turca e dá sufoco nos EUA, mas perde a 1ª

Brasil levanta torcida turca e dá sufoco nos EUA, mas perde a 1ª
30 de agosto de 2010 • 17h22 • atualizado às 18h16

Continuar lendo