Quer Que Eu Desenhe? :: “O Trabalho no Mundo”

Powered by ScribeFire.

Anúncios

Estadão, quer que eu desenhe?


“Do que mesmo vcs estão falando?”

Se houvesse honestidade intelectual nessa redação não tratariam de “vulnerabilidade externa” neste governo.

Vulnerabilidade externa, sim, é aquilo que havia no (des)governo FHC: déficit em conta-corrente, DLSP beirando 60% do PIB, taxa de juros absurdamente elevata, e bem, o risco-país…

PS.: Atentem para os três pontinhos.

Falta de poupança pública aumenta vulnerabilidade externa – politica – Estadao.com.br

01 de outubro de 2010 | 21h 09

 

O Estado de S.Paulo – SÃO PAULO

No cerne da questão da vulnerabilidade externa está a falta de poupança no Brasil. Conservadores e heterodoxos concordam que, para reduzir o déficit em conta-corrente, será necessário aumentar a poupança pública . O Brasil poupa pouco, cerca de 18% do PIB, e o ideal seria 25% para sustentar um crescimento acima de 5% ao ano, sem pressões inflacionárias. A poupança doméstica é insuficiente para financiar o crescimento, por isso o País é obrigado a recorrer à poupança externa. Hoje, o setor público contribui com cerca de zero para a poupança doméstica.

Com ajuste fiscal, o governo diminuiria gasto de custeio e pessoal e conseguiria aumentar a poupança pública, reduzindo a necessidade de poupança externa. Com isso, será possível reduzir os juros, que são altos para financiar a dívida pública. E daria para reduzir a tributação sobre o setor privado. Com menos tributos e juro menor, o investimento tende a crescer. Alguns argumentam que países emergentes precisam de poupança externa para crescer. Mas em tempos de crise, a situação pode virar, como 1999.

Inseguros, o investidores externos se retraem e o real se desvaloriza. Se o déficit em conta-corrente é alto, o País fica mais vulnerável. A estimativa é de que, em 2011, o câmbio fique em R$ 1,79 e, em 2014, R$ 2,06. O real deve se depreciar porque o déficit em conta-corrente vai sugar mais dólares…

Quer que eu desenhe? :: Investimentos do Governo Federal (1995 a 2010)

“Entenderam pq a mídia não fala mais de Economia?”

Elevar os investimentos em relação ao PIB é o próximo grande desafio pois significa pavimentar o caminho para poder crescer mais sem inflação, reduzindo os juros básicos e equilibrando o câmbio. Mas acho que a “equipe da Dilma” está consciente disso.