O cerco ao Irã

Os ventos do oriente tem odor de pólvora. Está em todos os jornais: “O Irã ameaça fechar o estreito de Ormuz“. Ahmadinejad (e os Aiatolás, não se esqueçam) querem destruir a (cambaleante) economia global atrapalhando o fluxo do petróleo em um dos seus pontos nevrálgicos. Certo?

De certa maneira, me importa menos o que ocorre no Oriente Médio, e mais o como o Brasil se posiciona do ponto de vista estratégico. Antigamente, achava que o OM iria se autodestruir por questões religiosas. Hoje, tenho certeza que um dia eles vão se destruir, mas só porque lá é muito quente e tem pouca água. E tem muito petróleo, mas isso é detalhe.

Bem, isso, é o que a nossa (decrépita) mídia tenta passar. O que me incomoda no momento é como nossa mídia é incapaz de informar. Até onde sei, enquanto acreditamos que os iranianos são os vilões e querem uma bomba nuclear pra fazer um buraco aonde fica Israel, os chineses (esses sim, tem uma agenda medida em séculos e não décadas, como os americanos, ou carnavais, como os brasileiros) nadam de braçada com uma diplomacia inovadora e agressiva. Até aonde vão? Façam suas apostas.

Não se vê uma única linha dizendo que o que as potências ocidentais querem é o petróleo. É sabido desde o principio que os EUA não aceitariam um desbalanceamento de forças na região. Logo agora, enquanto ainda somos tão dependentes de combustíveis fosseis quanto um viciado é por cocaína. Não enquanto existe a possibilidade das reservas de petróleo terem atingido o seu pico.

O programa nuclear iraniano não seria a desculpa ideal pra resolver de vez o problema? Depois do Iraque e Afeganistão (e Palestina), as potenciais ocidentais vão fazer com o Irã o que todo Império faz quando um inimigo ousa desafiá-los: subjugar, conquistar e dominar.

Mas, obviamente, até os grãos de areia fumegantes do deserto de Dasht-e-Lut sabem que o Irã não é o Iraque. Não é só isolar, esperar alguns anos e invadir. Então, no manual “Guerra para Iniciantes”, o segundo capítulo é: “Como cercar o seu inimigo e enfraquecer suas defesas.

Basta lembrar dos romanos, ou se não quisermos ir tão longe na história, lembrar que a guerra no Iraque só foi (tão) fácil por que após anos de bloqueio os tanques e aviões do Saddam estavam sucateados. Hoje a única coisa que mudou é o tipo de cerco é econômico-financeiro.

A única diferença é que o Irã não vai esperar isso acontecer passivamente. Vão provocar enquanto podem causar algum estrago (ver infográfico). Então, logicamente, haverá guerra. As provocações em Ormuz, são só o começo. E até aonde vi (e o Lula e o Celsão também) não haverá concessão (minimamente soberana) que será aceita pelas grandes potências. Pelo caminhar da carruagem, inevitavelmente haverá guerra.

Não é uma questão de ser a favor ou contra iranianos, americanos ou judeus. Não é sobre acreditar, como tolos e misses acéfalas, na Paz Mundial. O que me tira o sono, é que o Brasil, esse gigante adormecido, a potência que ainda não foi, não estar discutindo estratégias.

Quando digo estratégia, isso significa uma visão que pense na nossa capacidade de construir estradas, de fazer aviões e navios, de conseguir produzir, armazenar e distribuir etanol em grande escala, de tirar mais petróleo do pré-sal mais rapidamente, enfim, de inovar em todos setores. Você deve fazer isso em situação normal, mas você terá que fazer isso num momento de turbulência geopolítica como o que se aproxima.

Não falo de ilusões, nem de subitamente sermos capazes de decidir uma guerra do outro lado do mundo. Só gostaria de ser mais otimista com a possibilidade de estarmos preparados para nos posicionarmos melhor após um conflito dessa magnitude. Afinal, não no pós-guerra que nascem as novas potências?

2 comentários sobre “O cerco ao Irã

  1. Isto, pelo que sei, só foi publicado na imprensa(?) brasileira pela Revista Caros Amigos/Ano IX/nº 107/Fev/2006:
    O Império Americano
    O relatório de Dick Cheney – vice de George Bush – no início do primeiro mandato:
    – em 2020 os EUA teriam que importar 45% do total da energia utilizada pelo país, considerando as taxas de consumo estáveis;
    – mas, o crescimento médio do consumo à taxa anual de 1,8%, em 2015 os EUA terão que importar 20,8 milhões de barris por dia para um consumo de 25,7 barris por dia, o que dá mais ou menos 81% de suas necessidades;
    – as reservas estratégicas do país ou o petróleo bruto disponível no país, DARIAM APENAS PARA MAIS TRES ANOS.

    Obs.: – estes dados do Cheney, também se encontram na Statistical Review World Energy;

    – Dick Cheney, sempre esteve em busca de um pretexto para declarar guerra contra o Irã. Tal fato foi confirmado pelo físico norte-americano Jonathan Tennenbaum. Esta é a próxima guerra que teremos em pouco tempo.


    Disto tudo nada mais fácil entender a política externa dos EUA:
    – invasão do Afeganistão,
    – invasão do Iraque,
    – invasão da Libia,
    – inúmeras tentativas para depor o governo da Venezuela,
    – etc, etc,….

    OU SEJA, este império engana quando fala de “guerra ao terror”.
    OU SEJA, este império engana quando fala em “democratização”.
    OU SEJA, este império possui um PRÊMIO NOBEL DA PAZ que ordenou o bombardeio à Líbia para DEFENDER OS CIVIS.
    OU SEJA, este império possui um PRÊMIO NOBEL DA PAZ que mantém o maior CENTRO DE TORTURA DO MUNDO – GUANTÁNAMO.
    OU SEJA, este império é uma merda mesmo!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s