Jobim e o batismo de fogo de Dilma

“Situação Insustentável? Veremos.”

Como até as pedras do Planalto estão sabendo no momento – os arquivos foram liberados hoje, e pelo visto tem muita coisa ainda a surgir – a chapa esquentou para o (ex?) Ministro da Defesa Nelson Jobim. A liberação dos telegramas da embaixada dos EUA no Brasil, com o resumo da sua visita é devastador.

Fogo amigo do PT fica parecendo brincadeira de criança. E vêm exatamente após surgir na mídia notícias que a sua permanência no governo estava “praticamente” acertada com a presidente Dilma, a pedido de Lula. Estava. O pior não foi a avaliação do anti-americanismo, mas ter revelado informações de Estado, que lhe foram confiadas pelo Presidente da República.

Ele pode ser a primeira grande baixa desde que o pessoal do @WikiLeaks liberou as informações. Aliás os EUA estão numa situação crítica, essas informações vão revolucionar alterar significativamente as relações exteriores. Nada será como antes. Eu acompanho o WikiLeaks desde faz tempo, e infelizmente, nossa mídia está completamente despreparada para o que esses caras estão fazendo. No momento estão correndo atrás.

De qualquer forma, para nós, a grande questão é como a Dilma vai reagir ao primeiro grande problema sobre a sua mesa. Muitos torcem para a saída do Jobim. Eu também não gostei da atuação dele na Satiagraha (ajudando a tirar o Paulo Lacerda), mas sinceramente tenho muitas dúvidas se encontraremos algum civil para o Ministério da Defesa que consiga “enquadrar” – não é o termo correto, eu sei – as Forças Armadas e continuar conduzindo as mudanças institucionais e a reestruturação material delas. Mas eu já disse que sou um pragmático? Então.

Temo ainda mais pelo F-X2. E tenho mais ressalva de quem afirma que a sua saída não causará mais atrasos nesse processo. Lembrem-se, o Lula bancou seu nome ao aconselhar a Dilma, não foi porque gosta dele como pessoa, mas porque é um monstro político e sabe o quanto sofreu nessa área. Pelo menos no caso da Marinha o processo está bem encaminhado, e meio que imune a mudanças no Ministério da Defesa.

Mas e agora? A situação do Jobim se tornou – não existe outro termo – insustentável. Imaginem a situação constrangedora numa reunião de cúpula na Unasul, por exemplo. Ou, de que adiantou aquele duríssimo discurso na UE (Portugal) contra a proposta americana (New Strategic Concept) de usar a OTAN para supervisionar o Atlântico Central (eufemismo pra dizer Atlântico Sul)? Aquilo se dissolveu no ar, pois foram palavras públicas, isso que estamos lendo, é o jogo concreto, pesado, que é feito nas entranhas do poder.

O caminho natural seria o pedido de demissão. Mas ele sempre foi um puta jogador (político) gostem ou não, principalmente no ataque, de maneira silenciosa. Como disse, vamos ver como joga sob o fogo da “artilharia de saturação” sobre sua cabeça. Quem sabe ele não consegue resistir? Eu, no momento, duvido.

Mas é preciso ressaltar: longa vida ao @Wikileaks. O #CableGate é a prova da frase do juiz da Suprema Corte Americana Louis Brandel: “A luz do sol é o melhor dos desinfetantes”. A política externa dos EUA está nua, e não é uma cena bonita de se ver.”

WikiLeaks :: Cable Viewer

Viewing cable 08BRASILIA351, SCENESETTER FOR THE VISIT OF MINISTER OF DEFENSE

If you are new to these pages, please read an introduction on the structure of a cable as well as how to discuss them with others. See also the FAQs

Understanding cables
Every cable message consists of three parts:

* The top box shows each cables unique reference number, when and by whom it originally was sent, and what its initial classification was.
* The middle box contains the header information that is associated with the cable. It includes information about the receiver(s) as well as a general subject.
* The bottom box presents the body of the cable. The opening can contain a more specific subject, references to other cables (browse by origin to find them) or additional comment. This is followed by the main contents of the cable: a summary, a collection of specific topics and a comment section.

To understand the justification used for the classification of each cable, please use this WikiSource article as reference.

Discussing cables
If you find meaningful or important information in a cable, please link directly to its unique reference number. Linking to a specific paragraph in the body of a cable is also possible by copying the appropriate link (to be found at theparagraph symbol). Please mark messages for social networking services like Twitter with the hash tags #cablegate and a hash containing the reference ID e.g. #08BRASILIA351.
Help us extend and defend this work
Reference ID Created Released Classification Origin
08BRASILIA351 2008-03-13 16:04 2010-11-30 12:12 CONFIDENTIAL Embassy Brasilia

VZCZCXRO4281
RR RUEHAO RUEHCD RUEHGA RUEHGD RUEHHA RUEHHO RUEHMC RUEHNG RUEHNL
RUEHQU RUEHRD RUEHRG RUEHRS RUEHTM RUEHVC
DE RUEHBR #0351/01 0731657
ZNY CCCCC ZZH
R 131657Z MAR 08
FM AMEMBASSY BRASILIA
TO RUEKJCS/SECDEF WASHDC
RUEHC/SECSTATE WASHDC 1212
INFO RUEHWH/WESTERN HEMISPHERIC AFFAIRS DIPL POSTS
RUEHRG/AMCONSUL RECIFE 7806
RUEHRI/AMCONSUL RIO DE JANEIRO 5916
RUEHSO/AMCONSUL SAO PAULO 1753
RUEKJCS/JOINT STAFF WASHDC
RHEHNSC/NSC WASHDC
RHEHAAA/WHITE HOUSE WASHDC
RUEAIIA/CIA WASHDC
RHMFISS/CDR USSOUTHCOM MIAMI FL//SCJ2-I/J5/HSE/DIA REP//
RULSDMK/DEPT OF TRANSPORTATION WASHDC

C O N F I D E N T I A L SECTION 01 OF 03 BRASILIA 000351

SIPDIS

SIPDIS

DEPARTMENT FOR D, WHA AND PM

E.O. 12958: DECL: 03/12/2018
TAGS: PREL MASC OVIP BR
SUBJECT: SCENESETTER FOR THE VISIT OF MINISTER OF DEFENSE
NELSON JOBIM TO WASHINGTON BRASILIA 00000351 001.2 OF 003
Classified By: Ambassador Clifford Sobel

¶1. (C) Minister of Defense Nelson Jobim will travel to Norfolk and Washington from March 18-22, 2008 on a counterpart visit. He will meet with Secretary Gates in an office call on March 20 June. Minister Jobim,s objectives for the visit are to enhance prospects for bilateral cooperation and explore possibilities for access to U.S. defense technology.

¶2. (C) Summary: Minister Jobim is the first strong Minister of Defense in Brazil. He is working to centralize civilian oversight of the Brazilian military and hopes to learn from the U.S. military in this regard. He has also clearly indicated a desire to pursue military cooperation agreements despite objections from the Ministry for External Affairs, such as in the case of concluding a SOFA with France. He has also expressed his desire to pursue a Defense Cooperation Agreement with the U.S. and to have it approved directly by the President. Jobim has also been helpful in making progress on a General Security of Information Agreement, which requires approval by Brazil,s Ministry of Interior and Office for Institutional Security. Although the U.S. and Brazil share the basic goals of fostering hemispheric stability, preventing terrorist activity and strengthening international non-proliferation regimes, U.S.-Brazil cooperation is hindered by difficulties in completing a bilateral defense cooperation agreement, providing protections for U.S. personnel involved in training and joint exercises and taking proactive steps to address countries of proliferation concern such as Iran. Brazil has maintained its leadership role in the Haiti peacekeeping force MINUSTAH under the active advocacy of the Foreign Ministry. Jobim,s visit comes at an important time as Brazil is formulating a new National Defense Strategy and beginning to make decisions about acquisition of new military systems and technology. Other military issues of interest include service relations with the fledgling civilian defense ministry and the necessity of negotiating further agreements with the U.S. in order to enhance our already strong military-to-military relationship. End Summary.

————————– Politico-Economic Overview ————————–

¶3. (SBU) President Luiz Inacio Lula da Silva was elected in 2002 in large part on promises of promoting an ambitious social agenda, including generous handouts to the poor. On the strength of the popularity of these measures, he was re-elected in 2006, although with diminished support from the middle class. The public’s top concerns – crime and public security – have not improved under this administration. The Lula Administration has been beset by a grave political crisis as interlocking influence peddling/vote-buying scandals plagued elements of Lula’s PT party, but the President,s personal popularity has not suffered, even after many of his closest associates have been caught in corrupt practices. MOD Jobim is perhaps among the most trusted leaders in Brazil. A former Supreme Court Justice, he maintains a strong reputation for integrity that is rare among Brazil,s leadership.

——————————————— — Friendly Cooperation, But Not Strong Friendship ——————————————— —

¶4. (C) Brazil’s democratic institutions are strong and stable after more than 20 years of civilian rule. A return to military dictatorship is today unthinkable as Brazil’s armed forces pursue a professional non-political identity. With steady export-led economic growth having become the norm in the recent past, Brazil has been a supporter of reasoned foreign policy goals and has been steadfast in its support of democracy in the hemisphere. It has a strong interest in hemispheric security issues that largely mirrors our own, and actively cooperates with us on the operational level in the fight against terrorism. BRASILIA 00000351 002.2 OF 003

¶5. (C) While relations between the U.S. and Brazil are generally friendly, often the USG encounters major difficulties in gaining the cooperation of senior policymakers on issues of significant interest to the United States. The difficulty is most apparent in the Ministry for External Affairs (MRE) which maintains an anti-American slant and has tried to block improved DoD-MOD relations. In planning for Jobim,s visit, the MRE actively campaigned to limit Jobim,s time in Washington to one largely ceremonial day with little substance.

¶6. (C) The current left-of-center administration has studiously avoided close cooperation on pol-mil issues important to us and has kept us at arms length on most security-related issues. Specifically, the MRE has dragged its feet on completing a Defense Cooperation Agreement, General Security of Military Information Agreement (GSOMIA), Acquisition and Cross Servicing Agreement (ACSA) or Article 98 agreement. The GOB traditionally maintained that such agreements, particularly the SOFA, were against Brazilian law, but reversed itself (over MRE objections) and signed a SOFA with France earlier this year. We are exploring the possibility of using the French SOFA as a starting place for a U.S.-Brazil agreement.

¶7. (C) Brazil has stayed the course as leader of MINUSTAH in Haiti despite a lack of domestic support for the PKO. The MRE has remained committed to the initiative because it believes that the operation serves FM Amorim’s obsessive international goal of qualifying Brazil for a seat on the UN Security Council. The Brazilian military remains committed as well, because the mission enhances its international prestige and provides training and operational opportunities. So far, President Lula has backed the Foreign Ministry’s position, and Brazil will likely continue to provide leadership and troops to MINUSTAH for the conceivable future. Despite the success of the MINUSTAH deployment, Brazil has not shown any interest in undertaking further peacekeeping operations, although Brazilian contributions to UN operations in such places as Darfur have been requested.

———————— CT and Non-Proliferation ————————

¶8. (C) The desire not to be identified with the U.S. is borne out as well in the GOB’s approach to counterterrorism. Cooperation remains excellent at the operational level, especially between law enforcement agencies. However, the GOB political leadership has refused to endorse U.S. counterterrorism initiatives publicly and has insisted that official communiques of the 3 1 mechanism note that there is no evidence of terrorist operations in the Tri-Border area, where Brazil, Paraguay and Argentina meet. Wary of its large, prosperous and influential Arab population, the GOB makes every effort to downplay in public even the possibility of terrorist fund-raising going on inside Brazil.

¶9. (C) The GOB has a good record in non-proliferation efforts, but has been slow to join international consensus in favor of sanctions on Iran. Brazil has also not yet signed the NPT Additional Protocol, although it has not ruled out signing it in the near future.

————— Military Issues —————

¶10. (C) Brazil established a Ministry of Defense (MoD) for the first time in June 1999, uniting the three services (Army, Navy, and Air Force) under a single minister. Jobim became Minister last year when the disastrous crash of a Brazilian airliner highlighted weaknesses in the civil aviation system, which comes under MOD purview. Organizationally, the MOD still faces challenges managing the individual services. Each service is still fairly autonomous and controls its own budget and acquisition programs. In addition, the Lula administration,s focus on social reforms BRASILIA 00000351 003.2 OF 003 and programs has meant decreases for military budgets, leading to fewer training opportunities and equipment purchases. This situation is changing as there is now near consensus among Brazil,s leadership that the military is under-resourced and under equipped to accomplish its missions.

¶11. (C) To address this situation, the Lula government has tasked a new National Defense strategy to be completed by this fall. This paper will set the framework for military modernization and theoretically drive decisions on acquisition of new equipment. In reality, such decisions will be made largely for political and economic reasons. Brazil,s defense industrial base has atrophied since the end of the Cold War, and it is a major objective of the government to reinvigorate it. Decisions on major systems will be influenced much more by access to foreign technology and opportunities for Brazilian industry than by the capabilities such systems will add to Brazil,s military.

———————- General Points to Make ———————-

¶18. (SBU) Our core message for Jobim’s visit should be: — Reinforcing and underscoring the importance of these agreements in support of Brazil,s interest to reequip and modernize its military with technology transfer is critically important. It would also help to define how we, the anchor of the North America, and Brazil the anchor of South America, may be able to work more closely in the future to enhance hemispheric defense cooperation. We recommend SecDef also emphasize the following points in conversations with Minister Jobim: — We want to continue improving our defense relationship. This is an imperative, given the difficult global security situation in which we live today, and the importance of Brazil,s role in the Americas. — We are serious about our partnership in Brazil. We see strong possibilities for joint research and production, exchanges of military personnel and training. — As you make important decisions about the modernization of Brazil,s forces later this year, keep in mind that partnership with the U.S. can help both our countries realize our common goal of preserving stability in the Western Hemisphere. — As we continue to develop our partnership, we need to have in place several standard documents to assure smooth cooperation. The Defense Cooperation Agreement is the first of these. We understand your Ministry has approved the current draft and hope the rest of your government will also. Next, we hope to complete an agreement on information security and a Status of Forces Agreement to protect the forces of both countries during joint exercises. — The United States would like to congratulate Brazil for its efforts in Haiti. The improving situation there is in no small measure due to the professionalism and dedication of Brazilian troops and leadership. We hope Brazil is resolved to continue to contribute to the success of MINUSTAH. SOBEL

Folha de S.Paulo – Documento revela que, para EUA, Itamaraty é adversário – 30/11/2010

Documento revela que, para EUA, Itamaraty é adversário

Papéis confidenciais citam “inclinação antinorte-americana” por parte do Brasil

Telegramas divulgados pela ONG WikiLeaks revelam que diplomatas dos EUA consideram Nelson Jobim um aliado

FERNANDO RODRIGUES
DE BRASÍLIA

Telegramas confidenciais de diplomatas dos EUA indicam que o governo daquele país considera o Ministério das Relações Exteriores do Brasil como um adversário que adota uma “inclinação antinorte-americana”.
Esses mesmos documentos mostram que os EUA enxergam o ministro da Defesa, Nelson Jobim, como um aliado em contraposição ao quase inimigo Itamaraty.
Mantido no cargo no governo de Dilma Rousseff, o ministro é elogiado e descrito como “talvez um dos mais confiáveis líderes no Brasil”.
A Folha leu com exclusividade seis telegramas de um lote de 1.947 documentos elaborados pela Embaixada dos EUA em Brasília, sobretudo na última década.
Os despachos foram obtidos pela organização não governamental WikiLeaks. As íntegras desses papéis estarão hoje no site da ONG (cablegate.wikileaks.org/), que também produzirá reportagens em português. A Folha.com divulgará os telegramas completos.
Num dos telegramas, de 25 de janeiro de 2008, o então embaixador dos EUA em Brasília, Clifford Sobel, relata aos seus superiores como havia sido um almoço mantido dias antes com Nelson Jobim. Nesse encontro, o ministro brasileiro contribuiu para reforçar a imagem negativa do Itamaraty perante os norte-americanos.
Indagado sobre acordos bilaterais entre os dois países, Jobim citou o então secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Samuel Pinheiro Guimarães.
Segundo o relato produzido por Clifford Sobel, “Jobim disse que Guimarães “odeia os EUA” e trabalha para criar problemas na relação [entre os dois países].”
Não há nos seis telegramas confidenciais lidos pela Folha nenhuma menção a atos ilícitos nas relações bilaterais Brasil-EUA. São apenas descrições de encontros, almoços e reuniões.
Ao mencionar um acordo bilateral, Clifford Sobel diz que caberá ao presidente Lula decidir entre as posições de um “inusualmente ativo ministro da Defesa interessado em desenvolver laços mais próximos com os EUA e um Ministério das Relações Exteriores firmemente comprometido em manter controle sobre todos os aspectos da política internacional”.
Num telegrama de 13 de março de 2008, Sobel afirma que o Itamaraty trabalhou ativamente para limitar a agenda de uma viagem de Jobim aos EUA.
Ao relatar a visita (de 18 a 21 de março de 2008), os EUA pareciam frustrados: “Embora existam boas perspectivas para melhorar nossa relação na área de defesa com o Brasil, a obstrução do Itamaraty continuará um problema”.

CAÇAS DA FAB
Apesar de elogiado, Jobim nunca apresentou em reuniões nenhuma proposta especial aos EUA a respeito da licitação dos 36 aviões caça que serão comprados pela Força Aérea Brasileira.
Em todos os relatos confidenciais os diplomatas dos EUA em Brasília mencionam frases de Jobim que coincidem com o que o ministro declarou em público.
Em uma ocasião, por exemplo, os norte-americanos escrevem: “Compras de fornecedores dos EUA serão mais competitivas quando [o país] autorizar uma produção brasileira de futuros sistemas militares”.
Procurado pela Folha, o Departamento de Estado dos EUA se recusou a comentar as comunicações sigilosas.
Uma porta-voz do departamento enfatizou que os países mantêm boas relações. A Casa Branca não respondeu à reportagem até a conclusão desta edição.

Folha de S.Paulo – Brasil não precisa tipificar terrorismo, diz governo – 30/11/2010

Brasil não precisa tipificar terrorismo, diz governo

LUCAS FERRAZ
DE BRASÍLIA

Citado nos telegramas secretos vazados pela organização WikiLeaks, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República criticou a visão manifestada nos papéis e disse que o Brasil não precisa de uma legislação para tipificar o terrorismo.
Segundo uma autoridade do GSI, o Brasil tem conceitos diferentes dos Estados Unidos sobre terrorismo e realizou estudos que concluíram que “é melhor trabalhar com resultados e não com um conceito de terrorismo que ninguém conseguiu fazer, nem a ONU”.
Ele pediu reserva à reportagem alegando que “ainda tem muita coisa por aí” para ser divulgada.
A diplomacia americana no Brasil reporta uma antiga crítica do país em relação ao governo brasileiro, visto como leniente no combate ao terror. A pressão de Washington para tipificar o terrorismo em lei é antiga e vem desde o governo de FHC (1995 a 2002).
O governo Lula sempre evitou tipificar o crime porque isso poderia, por exemplo, criminalizar movimentos sociais como o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).
De acordo com o integrante do GSI, o governo tem maneiras de enfrentar o problema sem precisar tipificar o crime de terrorismo. Para isso, há instrumentos, diz, como o Código Penal.
Sobre a Tríplice Fronteira, questão sempre citada pelos americanos, o membro do Gabinete de Segurança Institucional afirma que não há nada de “anormal” na região, que é monitorada pelo governo brasileiro.
Procuradas, Polícia Federal, Itamaraty e a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília não quiseram se manifestar. A presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), também não comentou os telegramas.
Colaborou MÁRCIO FALCÃO, de Brasília

Folha de S.Paulo – Ligação do Brasil com Irã preocupa EUA – 30/11/2010

Ligação do Brasil com Irã preocupa EUA

Segundo documentos vazados pelo WikiLeaks, ministro francês considerou o país “ingênuo” ao tratar da questão

Telegramas de várias embaixadas americanas mencionam o país ao tratar do problema do projeto nuclear iraniano

JULIANA ROCHA
DE BRASÍLIA
JEFFERSON PUFF
DE SÃO PAULO

Correspondências entre o governo norte-americano e suas embaixadas mostram preocupação com a aproximação entre Brasil e Irã.
Os documentos da diplomacia dos EUA foram vazados pelo site WikiLeaks (www.wikileaks.org).
Um telegrama da embaixada em Berlim sobre o Irã alerta que os países devem “prestar atenção ao Brasil como formador de opinião do Terceiro Mundo”.
A correspondência diz que essa é a opinião do ministro das Relações Exteriores alemão, Guido Westerwelle.
Enviada em 5 de fevereiro deste ano, a carta acrescenta que a Rússia já viu que “o Irã está brincando com a questão nuclear”. E lembra que o presidente Lula recebeu Mahmoud Ahmadinejad em visita oficial.
A visita do presidente iraniano ao Brasil também aparece em telegrama que partiu da embaixada dos EUA em Paris, em novembro de 2009.
A correspondência relata uma conversa por telefone entre os presidentes Nicolas Sarkozy e Barack Obama em que eles concordam que precisam tomar “medidas mais sérias” em relação ao programa nuclear iraniano.
Os líderes de França e EUA dizem que precisam unir a comunidade internacional contra o Irã e lembram que alguns países ainda mantêm “relações diplomáticas e comerciais normais” com o país. Nesse momento, o texto cita que Ahmadinejad planeja visitar o Brasil.
Em janeiro deste ano, a mesma embaixada de Paris relata que o conselheiro de Assuntos Estratégicos da França, François Richier, chama o Brasil de “ingênuo” na relação com o Irã.
“[Richier] deixou claro que [a França] vê o engajamento do Brasil como sendo mais ingênuo e possivelmente baseado em uma compreensão errônea da decisão de Obama de tentar o engajamento primeiro, sem o Brasil saber quais os limites desse engajamento”, diz o telegrama.

“JOGO DUPLO”
A embaixada americana da Itália voltou sua artilharia apenas contra a Turquia nas relações com o Irã.
Telegrama de Roma relata a opinião do ministro das Relações Exteriores italiano, Franco Frattini, em que ele expressou frustração com o “jogo duplo” da Turquia, de aproximação tanto com a Europa quanto com o Irã.
Segundo a correspondência, de fevereiro deste ano, Frattini propõe que Brasil, Turquia, Venezuela, Arábia Saudita e Egito sejam incluídos nas discussões sobre novas medidas contra o programa nuclear iraniano.
Um tema frequente nas correspondências é a necessidade de atrair a China para o lado dos países desenvolvidos nas sanções contra o Irã.
Em duas ocasiões, as embaixadas dizem que é preciso trazer “a China a bordo” contra o país de Ahmadinejad.

Folha de S.Paulo – Consulado americano relaciona imigrantes libaneses a Hizbollah – 30/11/2010

Consulado americano relaciona imigrantes libaneses a Hizbollah

DE BRASÍLIA

Correspondência do consulado americano em São Paulo alerta para a possibilidade de imigrantes libaneses no Brasil serem ligados ao movimento Hizbollah, organização fundamentalista considerada terrorista por alguns países, como os EUA.
O telegrama, de 20 de novembro do ano passado, diz que a acusação vem de uma entidade chamada Instituto do Futuro, de orientação da comunidade islâmica sunita no país.
Segundo o instituto, alguns imigrantes xiitas chegam ao Brasil com apoio do Hizbollah. Eles recebem da organização um valor estimado de US$ 50 mil para abrir um negócio e os lucros são enviados para sustentar o Hizbollah no Líbano.
Sob o título de “os radicais”, o telegrama diz que, apesar de a maioria dos muçulmanos no Brasil serem moderados, há radicais.
O consulado diz estimar que 20 mil imigrantes são xiitas que seguem o Hizbollah e que moram sobretudo na região de Foz do Iguaçu, na tríplice fronteira.
Segundo o comunicado, alguns integrantes da comunidade islâmica no Brasil expressam uma atitude de antiamericanismo. O telegrama cita o Sheik Yamani, 31, da mesquita de Londrina, que teria dito que nunca foi provado o envolvimento de Osama Bin Laden nos ataques de 11 de setembro.
O consulado comenta que Yamani segue uma corrente conservadora do islamismo.

13 comentários sobre “Jobim e o batismo de fogo de Dilma

  1. Não posso opinar sobre Jobim. Não ligo muito para o assunto “defesa”, nisso sou alienado. E também não acho grave ter um tucano aqui e outro ali, acho que faz parte.

    É uma pena que muitos do ministério não continuarão. Por mim não se mudaria o Temporão nem o Juca Ferreira. E Carlos Minc voltaria.

    A equipe econômica me parece boa. Gostaria que o Nelson Barbosa tivesse um cargo.
    Menos mal que a equipe econômica virou consenso nacional, tanto mídia como blogosfera gostaram.

    E acho que o Temer tem que ter alguma função formal. O Serra não havia prometido o MDS para o Aécio? Então, precisa fazer algo.

    E ainda vai ter Secretaria dos Aeroportos e Min. da PME? Puxa, quase 40 ministérios é demais. No tempo da ditadura só tinha 10 civis e 3 militares.

    Pensava que a Dilma ia ser mais para CEO…

  2. Achar que o Jobim é “líder confiável” é puro desespero dos americanos!
    Ou, então, o EUA:
    – está com a “saúde mental” abalada pois nem o seu povo reagiu com a carnificina da invasão do Iraque sem motivo algum;
    – é um país “louco” para invadir o Irã a despeito das armas nucleares de Israel e outros países;
    – é um país “irresponsável” onde a indústria armamentista comanda congresso e mídia;
    – é um país “autoritário” que mantém o maior centro de tortura do mundo – Guantánamo;
    – é um país onde seu “grave tumor” é achar que são os protetores do mundo;

    Isto vai mexer com o ego do Nelson.
    É como diz um trecho extraído do texto de Carlos Alberto Cordella, com o título ´´A FANTASIA DO GENERAL´´, referindo-se ao Ministro da Defesa Nelson Jobim, bem de acordo com a linguagem popular dos ´´pagos´´:

    “Te digo mais, pra ser um bom milico leva tempo e é por toda vida, pra ser Ministro dois segundos.
    Tu estás Ministro, nós, ao contrário, somos milicos até morrer.
    E morremos por convicção, não pelo ego ou notoriedade.

    E não esqueça que é pelo toque da gaita que se aprende a dançar.
    Não te fresqueia índio véio, que tu estais mais pra boi do que pra touro.
    Oigalê!”

    Será que não há nenhum estrategista neste país!?

  3. Não, o problema foi o Jobim i) ter feito, institucionalmente, observações que vão contra a política externa determinada por um governo eleito. Além disso quebrou a frágil confiança que deveria imperar entre ministros de Estado. ii) ter vazado para um representante diplomático de um país estrangeiro informações que lhe foram confidenciadas pelo Presidente da Republica a respeito de um mandatário de um país vizinho.

  4. Gunter (30/11/2010 às 20:34),
    Salvo os dois últimos parágrafos do que você disse, achei muito pertinentes suas observações e concordo bem com elas.
    Em relação ao número de ministérios não entendo porque essa sua avaliação com base no número de ministérios. Poderia ter um só ministério que seria gerenciando por uma espécie de primeiro ministro com vários subministérios, ou 20 ou 40 ou 100 e não se poderia concluir nada em relação a capacidade administrativa seja do chefe do executivo, seja da própria organização pública, no caso, federal. Essa discussão sobre o número de ministérios sempre me pareceu discussão de iletrado que evidentemente não é o seu caso. E iletrado aqui não é referência a falta de estudo, mas a falta de conhecimento específico. Essa discussão é própria de jornalista que tem o conhecimento específico de como fazer uma reportagem e escrevê-la, mas nada sabe sobre administração, ou seja, em relação a gerenciar uma organização o jornalista é um iletrado.
    Outra coisa, a idéia de CEO em pleno século XXI parece-me anacrônica. Isso era moda na década de 90 do século passado quando Bill Clinton fez onda e o mundo todo procurou surfar na onda americana.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 05/12/2010

  5. Muito Pelo Contrário,
    Gostei muito do comentário, em especial da parte em que você diz:
    “Lembrem-se, o Lula bancou seu nome (De Nelson Jobim) ao aconselhar a Dilma, não foi porque gosta dele como pessoa, mas porque é um monstro político e sabe o quanto sofreu nessa área.”
    Não lembro em que blog comentei, mas fiz um elogio a Lula pela nomeação de Nelson Jobim na época em que Lula o nomeou. Não porque eu gostasse de Nelson Jobim. Como brizolista que eu era, via em Nelson Jobim um antípoda que sempre defendeu idéias contrárias às minhas. E sempre o tive como impregnado do pior do elitismo e possuindo, talvez de forma mais professoral (Acho que foi o Roberto Pompeu de Toledo quem teve um achado e falou do jeito propedeutico do Nelson Jobim explicar as causas do acidente com o avião da Air France. Fui procurar no google e encontrei no seguinte endereço
    http://veja.abril.com.br/141107/pompeu.shtml
    o post (apresentado como ensaio de Roberto Pompeu de Toledo) “Autoridade é uma coisa, eficácia é outra” da edição 2034 da Veja de 14/11/2007), o mesmo defeito peculiar a muitos tucanos: a arrogância pretenciosa do autoritarismo presunçoso da soberba sapiente.
    Recentemente, exatamente para discutir sobre os vazamentos na Wikileaks envolvendo o Nelson Jobim, fiz um outro comentário falando da utilidade dele para o governo do Lula. Esse meu comentário, enviado quinta-feira, 02/12/2010 às 22:22 para junto do comentário de Adroaldo Lima L. enviado quarta-feira, 01/12/2010 às 09:56, pode ser encontrado no endereço
    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-erros-no-diagnostico-da-economia
    do post no blog do Luis Nassif intitulado “Os erros no diagnóstico da economia” de quarta-feira, 01/12/2010 às 09:33. Na parte que interessa eu disse:
    “Pelo menos até agora só escutei fofocas e fofocas que interessam aos Estados Unidos e fofocas que para os Estados Unidos seria boa a revelação delas. Para a rede Globo, o que não interessa é a divulgação de quais foram os fofoqueiros.
    Esse é o sentido crítico que a Globo deu ao referir às noticias vazadas como fofocas. Ela não queria era comprometer um dos grandes trunfos dela no Governo de Lula: o ministro Jobim (Outro trunfo era o Hélio Costa) que parece ser o único que está sendo queimado com as revelações.”

    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 05/12/2010

  6. Clever, Gunter,

    É por ai (merece até um post). Jornalista que fica contando ministérios e comparando. Não é essa a questão. O grande nó é a nossa incapacidade de promover uma ampla Reforma do Estado (em todos os níveis, municipal, estadual, federal, e em todos os poderes, legislativo, judiciário e executivos (+orgãos auxiliares)).

    Uma reforma no sentido de modernizar e otimizar as ações que permita fazer mais com menos. Poderíamos ter 200 ministérios se necessário for, desde que fossem enxutos e ágeis.

  7. ver item i).

    ele, como ministro da defesa, foi na presença de um representante de outro país, foi contra um política de estado. determinada pelo presidente eleito da republica federativa do brasil.

    se fossemos sérios ele teria se demitido logo em seguida.

    ps.: não preciso ressaltar as duvidas se isso seria bom ou ruim, mas estou falando de princípios e de valores éticos. sem contar as pontes de confiança que se perderam.

  8. Gunter (30/11/2010 às 20:34),
    Passei batido na sua frase:
    “Gostaria que o Nelson Barbosa tivesse um cargo.”
    Relendo hoje os comentários lembrei de um post de Luis Nassif “Fazenda muda opinião sobre câmbio” de domingo, 28/11/2010 às 09:47 com repercussão do trabalho de Nelson Barbosa “Duas Não Linearidades e Uma Assimetria: Taxa de Câmbio, Crescimento e Inflação no Brasil” apresentado no 7o Fórum de Economia da FGV-SP. O endereço do post é:
    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/fazenda-muda-opiniao-sobre-cambio
    Bem, naquele post, nós chegamos a discutir sobre opiniões divergentes que tínhamos, mas não focamos no que era a minha resistência maior no trabalho do Nelson Barbosa e que consistia em descrer de frase dele que eu procurei rebater, frase transcrita a seguir:
    “No Brasil a apreciação cambial têm exercido um impacto temporário positivo sobre a demanda agregada no curto prazo”.
    Não sou economista, mas essa frase não tem para mim nenhuma fundamentação. A menos que ela tenha sido feita para trazer os empresários para o grupo dos defensores da valorização (Ou apreciação) da nossa moeda na perspectiva de que o consumo vai aumentar e favorescer a eles.
    Fiz sobre o assunto um comentário para o Luis Nassif e o enviei segunda-feira, 29/11/2010 às 08:26 e nele eu revelava uma certa desesperança com economistas que dizem o que o Nelson Barbosa colocou lá no trabalho dele. Torço para que ele não pense o que ele disse e disse apenas para cooptar o empresariado desatento.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 08/12/2010

  9. Fernando (06/12/2010 às 14:33),
    É preciso ter uma melhor idéia da administração pública para não se deixar impregnar pelos jargões do nosso jornalismo cotidiano.
    O que vem a ser uma ampla reforma do Estado? Aliás há uma outra questão prévia a esta. Você diz:
    “O grande nó é a nossa incapacidade de promover uma ampla Reforma do Estado”.
    O “nossa” se refere ao ser humano ou a nós, os brasileiros?
    Se você se refere ao aer humano, tudo bem. Agora achar que o Brasil tem uma limitação específica em um projeto de reforma de Estado é querer dar-nos uma especificidade muito grande que não temos. Claro que é mais fácil fazer uma reforma de Estado em um país como a Holanda ou Dinamarca onde todo mundo tem curso superior, a infraestrutura do país já foi toda contruída, com todo o sistema de transporte e logística, de educação, saúde, energia, telecomunicações e saneamento funcionando completa e suficientemente. Temos então esta especificidade, mas nada que nos obrigue a transformar o Estado que temos. Temos que reconhecer que são ruins as nossas condições de educação, de distribuição de renda e do tamnho gigantesco do país, mas temos que estar atento para o fato de que uma mudança em uma país assim não se faz de uma noite para o dia.
    Veja a educação. Se daqui a vinte anos o país tiver condição de oferecer no serviço público uma educação de nível semelhante ao que os filhos da classe média recebem nas escolas particulares, será preciso mais vinte anos para que os pobres que estudaram nessas novas escolas públicas possam dar aos filhos na infânvia o mesmo nível de instrução, educação, conhecimento e cultura que os país da classe média dão hoje para os seus filhos.
    Talvez o governo Lula, por circunstâncias históricas, tenha dado a impressão que se pode fazer muito em pouco tempo. É uma ilusão. Muito do que Lula conseguiu na questão de erradicação de pobreza foi um pouco de ilusão numérica. Quando Lula chegou o dólar estava em uma relação de quase 1 para 4 reais. Quando ele sair estará em uma relação de 1 para 1,7. Nessa situação o país fica bem acima dos parâmetros de pobreza.
    Fiz uma série de comentários junto a um post no blog de Alon Feuerwerker intitulado “Platitudes” de 14/09/2010 e que pode ser encontrado no endereço:
    http://www.blogdoalon.com.br/2010/09/platitudes-1409.html
    A idéia principal nos meus comentários é de que a Administração Pública evolui, mas nada que possa ser aferido com precisão para quantificar o tanto de melhora que ocorreu em um curto período de tempo.
    A melhor imagem que eu faço disso é comparar o aparelho burocrático do Estado a um mastodonte em que o governante de plantão faria o papel de um jóquei desse mastodonte. Pouca influência terá o governante na direção e no ritmo de corrida do mastodonte.
    Enfim, no Brasil ou na Dinamarca nunca se deve postergar uma reforma de Estado nem deixar de optar por uma reforma que seja ampla, se as condições do momento permitirem, mas não se pode imaginar que essa reforma não seja um processo lento e gradual que leva anos para operar uma mudança que externamente seja perceptível.
    Não penso que eu seja pessimista por pensar assim. Nem penso que é otimista quem pensa o oposto. Para mim, quem põe muita crença nas propaladas reformas de Estado divulgadas pela direita ou pela esquerda é um tanto ingênuo (Por não perceber que quem faz muita divulgação de processos de reforma que implementa está apenas fazendo o uso para proveito próprio do marketing) ou voluntarioso.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 08/12/2010

  10. Clever,

    Na verdade a minha opinião é praticamente a mesma sua. Pra mim o Estado é um grande transatlantico que se move lentamente e demora horas pra fazer uma pequena curva.

    Qdo digo ampla, é pq está claro que mudanças “cosmeticas” não influenciaram a questão primordial a meu ver: a qualidade do serviço prestado a população. Do atendimento à ação em si. Temos uma carga tributária (e não me enquadro no coral dos que repetem que é preciso reduzi-la) de país nórdico, com um atendimento de país africano. Não é justo, não é eficiente. Não é sequer, inteligente. Temos que melhorar a qualidade, a efetividade do serviço público.

    Nisso, não sou partidário também da idéia de choque (até ironizo aqui chamando de Xoqui de Jestão) isso é uma piada de mal gosto. Passa a idéia que com uma eleição, um grupo de tecnocratas, pronto, o estado está reformado. O processo é longo, e um choque sequer altera o marco regulatório que engessa o serviço público.

    É preciso, gradativamente, permitir ao gestor executar seu serviço e ser cobrado por isso. Mas para que não se torne um foco de corrupção, é preciso criar mecanismos de controle e benchmarking, por exemplo.

    Outra ação deliberada no choque é o achatamento salarial do funcionalismo. Mas isso foi colocado dentro do pacote não por acaso. Na minha visão, deveriam ser projetos distintos, que caminhem lado a lado, mas de maneira independente, em ritmos diferentes. A mudança no perfil de contratação e nos planos de salario para o funcionalismo deveriam ser um projeto de longo prazo. Mas se aproveita e congela os salários deliberadamente a fim de enfraquecer força políticas e manter o Estado refém da iniciativa privada.

    Enfim, é um tema longo, e quase não é discutido por aqui. Mas é necessário. E não, não acredito que seja um problema somente do Brasil. É um problema generalizado (veja os problemas de infra nos EUA, ou nas agências reguladoras capturadas, ou na rigidez anacrônica dos comitês da UE, etc). Mas no Brasil, parece ser um problema gigantesco, talvez por não discutirmos isso.

    Mas essa é uma das grandes fronteiras para os próximos anos. Qualquer governante que assumir deve ter isso como prioridade, simplesmente pq vai dar muito voto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s