Evolução da miséria durante o Real


“Ouch!”

Detalhe: considerando-se que o Bolsa-Família foi instituído em janeiro de 2004 e ainda levou um certo tempo para ser implantado, ainda cabe dizer que o Fome-Zero foi um “fracasso” (mote do tucanato)? Não teria o FZ cumprido o seu papel ao mobilizar a sociedade e dar visibilidade ao combate à fome?

Ou o que realmente fez com que a miséria reduzisse drasticamente foi a priorização das políticas sociais?

Eu tenho repetido, o que fez o Gov. Lula ter sucesso nas políticas sociais foi basicamente o fato de ter colocado no mesmo patamar o desenvolvimento econômico ao social. Na teoria econômica, desenvolvimento econômico é crescimento com distribuição de renda. Ou seja, uma evolução nos indicadores sociais e uma melhoria no capital humano. No Brasil nunca estiveram vinculadas, como estão hoje.

Essa priorização fica clara quando se olha a distribuição da carreira de estado de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. O MDS tinha tem tantos EPPGGs qto o Min. da Fazenda.


Carta Maior – Economia – O real da miséria e a miséria do Real

O real da miséria e a miséria do Real

Na trajetória dos últimos 18 anos, só o governo Lula reduziu a pobreza de forma contínua e acentuada. Itamar e FHC tiveram, cada qual, apenas 1 ano de efetiva redução da pobreza: Itamar (que teve pouco mais de 2 anos de governo), em seu último ano (1994), e FHC, em seu primeiro ano (1995). Os números desmentem categoricamente a afirmação de que a miséria e as desigualdades no Brasil vêm caindo “desde o Plano Real”, como é comum encontrar inclusive entre analistas econômicos. O artigo é de Antônio Lassance.

Antonio Lassance (*)

O gráfico acima merece ser emoldurado. Ele representa os avanços que o Brasil alcançou até o momento na luta pela redução da miséria.

Antes de mais nada, é preciso dar os devidos créditos. O gráfico tem como base os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), colhidos, organizados e divulgados pelo IBGE. São sistematicamente trabalhados pelo IPEA, que tem grandes estudiosos sobre o tema da pobreza, assim como pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas-RJ.

Graças a esses estudos se pode, hoje, visualizar se estamos avançando ou retrocedendo; se o Brasil está resgatando seus pobres ou produzindo quantidades cada vez maiores de pessoas que ganham menos que o estritamente necessário para sobreviver; gente que se encontra sob situação de insegurança e vulnerabilidade.

Os números e a trajetória que os liga permitem não só uma fotografia da miséria, mas também um retrato do que os governos fizeram a esse respeito. Serve até de exame para um diagnóstico do bem estar ou do mal estar que as políticas econômicas podem causar à nossa sociedade.

Descritivamente: esta linha sinuosa decresce em ritmo forte em 1994 e 1995, quando estaciona. Depois de 1995, a queda deixa de ter continuidade e, salvo pequenas oscilações, os patamares de miséria ficam estáveis pelos sete anos seguintes, até 2002. Depois de 2003, ocorre uma nova trajetória descendente e, desta vez, sustentada, pois se mantém em queda ao longo de sete anos.

Na trajetória dos últimos 18 anos, só o governo Lula reduziu a pobreza de forma contínua e acentuada. Itamar e FHC tiveram, cada qual, apenas 1 ano de efetiva redução da pobreza: Itamar (que teve pouco mais de 2 anos de governo), em seu último ano (1994), e FHC, em seu primeiro ano (1995).
O gráfico desmente categoricamente a afirmação de que a miséria e as desigualdades no Brasil vêm caindo “desde o Plano Real”, como é comum encontrar inclusive entre analistas econômicos, principalmente aqueles que são mais entusiastas do que analistas e, a cada 5 anos, comemoram o aniversário do plano como se fosse alguém da família.

O Plano Real conseguiu reduzir a miséria apenas pelo efeito imediato e inicial de retirar do cenário econômico aquilo que é conhecido como “imposto inflacionário”: o desconto compulsório, que afeta sobretudo as camadas mais pobres, ao devorar seus rendimentos. Retirar a inflação do meio do caminho foi importante, mas insuficiente.

No governo FHC, a miséria alcançou um ponto de estagnação. Uma estagnação perversa, que deu origem, por exemplo, à teoria segundo a qual muitos brasileiros seriam “inimpregáveis”. Para o discurso oficial, o problema da miséria entre uma parte dos brasileiros estaria, imaginem, nos próprios brasileiros. A expressão era um claro sinônimo de “imprestáveis”: pessoas que não tinham lugar no crescimento pífio daqueles 8 anos. Era um recado a milhões de pessoas, do tipo: “não há nada que o governo possa fazer por vocês”. “Se virem!”

O governo Lula iniciou uma nova curva descendente da miséria no Brasil e a intensificou. Sua trajetória inicial foi mais íngrime do que a verificada no início do Plano Real e, mais importante, ela se manteve em declínio ao longo do tempo. Por trás dos números e da linha torta, está o regate de milhões de brasileiros.

A razão que explica essa trajetória está no conjunto de políticas sociais implementadas por Lula, como o Fome Zero, o Bolsa Família, a bancarização e os programas da agricultura familiar, além da melhoria e ampliação da cobertura da Previdência.

No campo econômico, além de proteger as camadas sociais mais pobres da volta do imposto inflacionário (estabilidade macroeconômica), houve uma política sistemática de elevação do salário mínimo e, a partir de 2004, patamares mais significativos de crescimento econômico, com destaque nas regiões mais pobres, que cresceram em ritmo superior à média nacional – em alguns casos, superior ao ritmo chinês.

O governo FHC, sem políticas sociais robustas e integradas e com índices sofríveis de crescimento econômico, exibiu uma perversa estabilidade da miséria. Se lembrarmos bem, ao final de seu mandato, a economia projetava inflação de dois dígitos, os juros (Selic) superavam os 21% ao ano (haviam batido em 44,95% em 1999), a crise da desvalorização cambial fizera o dólar disparar, as reservas estavam zeradas e o País precisara do FMI como avalista. Por isso se pode dizer que a característica principal do Governo FHC não foi propriamente a estabilidade macroeconômica. Foi o ajuste fiscal e a estabilidade da miséria.

Por sua vez, a tríade crescimento, estabilidade e redução da miséria, prometida por Lula na campanha de 2002, aconteceu. Se alguém tinha alguma dúvida, aí está a prova.

(*) Antonio Lassance é pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e professor de Ciência Política.

Um comentário sobre “Evolução da miséria durante o Real

  1. Concordo que o objetivo de política econômica é crescer com distribuição. é por isso que a social-democracia ainda é o paradigma (vis a vis neoliberalismo ou socialismo real)

    Não conseguirei encontrar agora, mas lembro do seguinte:

    O Fome Zero não foi substituído pelo Bolsa-família nem acabou. Oficialmente o Bolsa-família é um subprograma do Fome Zero. Se fuçar no site do MDS vai encontrar o organograma dos programas.

    Só que quando o Bolsa-família incorporou o Bolsa-escola, o vale-gás e o cartão-alimentação mudou também a concessão e acompanhamento. Antes era controlado pelo governo federal (cada programa à parte) Alguém (que merece o reconhecimento mas não sei o nome) percebeu que as famílias eram as mesmas e que saira mais em conta administrar com um cartão só, que por sua vez poderia ser bancarizado. E que a concessão devia ser nas prefeituras.

    Aí o programa deslanchou e responde por uns 80% das iniciativas. É como a criatura substituindo o criador.

    Mas as coisas importantes do Fome Zero em 2003 ainda existem: agricultura familiar, cooperativas de compra, criação de cisternas, distribuição de alimentos para famílias sem filhos (que talvez estejam fora do B-F) Só que o sucesso do B-F fez as pessoas esquecerem do resto, mas BF está contido (matematicamente falando) no FZ.

    Pelo menos foi o que entendi do site do MDS.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s