Agora tudo faz sentido :: EUA estimam reserva mineral do Afeganistão em US$ 1 tri


“TAPI+Recursos Mineirais = Guerras que “valem a pena”. Até eu como governante “gestaria” um Bin Laden.”

Com o mapeamento desses recursos minerais, principalmente o lítio, que livraria o mundo da dependência das reservas da Bolívia (Humm, tá ficando interessante né? Pois é.) somado ao TAPI (Trans-Afghanistan-Pipeline, para transportar o gás natural do Turcomenistão para o “ocidente” via Índia e Paquistão)

Agora, eu até que entendo, o discurso do Obama em West Point, que dizia que sairia do Iraque (claro depois de “estabilizado”, e devidamente fatiado) mas o novo front da estratégia de defesa seria o Afeganistão (o Paquistão ali foi só pra jogar todo os problemas num pacote só, afinal o “grande público”, com atenção concentrada zero perdidos entre o twitter e a fazendinha do facebook, não vai analisar esses “detalhes”).

Certo é aquele cara, que disse que a realidade supera a ficção. Assustador é a gente ver nossos conservadores, ignorantes, não perceberem que o próximo alvo, pode ser a soberania da Amazônia (Venezuela junto), o aquífero Guarani e o pré-sal. Se houver interesse, não hesitarão.

Ou seria mera coincidência que o questionamento à capacidade brasileira de cuidar da biodiversidade da Amazônia já foi expressa de maneira “oficial”, a tríplice fronteira (o aquífero está lá embaixo) é, segundo a mídia internacional, um entreposto para financiamento de terroristas árabes e o pré-sal, bem para o pré-sal, o Brasil não precisa de um submarino nuclear para tomar conta. Nem de Sukhoi’s 35, que dariam ao País a hegemonia aérea do Atlântico Sul. Sequer de Rafale’s.

A agenda desses caras não é feita entre o mandato do Bush e do Obama. Essa agenda existe desde sempre (ver Destino Manifesto). E vai continuar sendo implementada.

O que os outros países podem fazer é reagir, e lutar pelo poder de decidir sobre o seu futuro e das suas futuras gerações. Ou aceitar passivamente.

O que vcs escolhem?

EUA: reserva mineral do Afeganistão é estimada em US$ 1 tri – Terra -Economia

Economia internacional
EUA: reserva mineral do Afeganistão é estimada em US$ 1 tri

Os depósitos minerais inexplorados do Afeganistão podem valer mais de US$ 1 trilhão, disse o Pentágono nesta segunda-feira, numa descoberta que pode alterar a economia do país e contribuir com os esforços dos Estados Unidos para fortalecer o governo afegão.

O coronel David Lapan, porta-voz do Pentágono, disse que uma força-tarefa encarregada de estudar os recursos do país descobriu jazidas significativas de cobre, ferro, ouro, mercúrio, enxofre, cromo, talco-magnesita e carbonato de potássio, além da presença de fluorita, berílio e lítio, entre outros.

“É certamente uma boa notícia em potencial, especialmente para o Afeganistão”, disse Lapan. “Se pudermos assistir os afegãos no desenvolvimento desses recursos, isso certamente tem potencial para agregar muito à economia deles.”

Mas especialistas alertam que superar os desafios na exploração desses recursos é algo que pode levar décadas. O país tem pouca infraestrutura, está imerso numa guerra violenta e tem fama de possuir autoridades corruptas.

A riqueza mineral está espalhada por todo o país, inclusive no sul e no leste, regiões onde a presença da guerrilha Taliban é mais intensa.

A força-tarefa que avaliou os recursos minerais afegãos foi composta por membros do Pentágono, do Departamento de Estado e do Departamento de Pesquisas Geológicas dos EUA, em conjunto com funcionários do ministério afegão das Minas.

O trabalho foi parte de um esforço mais amplo para identificar o potencial econômico do Iraque e do Afeganistão, e ajudar os respectivos governos a atrair investimentos para desenvolver seus recursos.

Lapan disse que esse trabalho é parte da “estratégia de contrainsurgência.” “Esse é o braço econômico do qual falamos, mas que recebe pouquíssima atenção.”

A análise sobre o Afeganistão abordou todos os setores, dos recursos minerais à produção agrícola e à fabricação de tapetes e outros itens. A força tarefa de avaliação econômica existe desde 2006, inicialmente com mais foco no Iraque.

Em 31 de janeiro, o presidente afegão, Hamid Karzai, já havia dito que seu país possui uma riqueza mineral de US$ 1 trilhão, valor baseado nos preços praticados no fim de 2009.

Lapan disse a jornalistas que a cifra pode estar subestimada. O jornal The New York Times disse nesta segunda-feira que a riqueza mineral do Afeganistão é tão grande que no futuro o país pode se tornar um dos grandes centros da mineração global.

Um memorando do Pentágono citado pelo jornal diz que o país pode vir a ser “a Arábia Saudita do lítio”, matéria-prima de baterias de produtos eletrônicos.

A avaliação sobre o potencial mineral afegão deve acirrar a disputa entre atores regionais, como China, Índia e até Rússia, por uma maior participação na exploração desses recursos.

Duas firmas chinesas já decidiram investir US$ 4 bilhões na enorme mina de cobre de Aynak, maior investimento civil já feito no país.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s