Adoooro



Não me entendam mal, mas não resisti e resolvi usar a expressão que minha esposa tem usado muito atualmente e meu amigos da “comunidade” tb sempre usam (Gunter isso é com vc). Parece estar na moda né? Fica ai meu tributo à Parada Gay (Puta merda, paulistas, 3 milhões? Juntos? Na Paulista? Gritando em coro: Adooooro?).

Mas voltemos. Eu quero expressar é que acho o máximo qdo eu estou fazendo uma pesquisa básica para outro post e me deparo com posts antigos desses “conservadores anaeróbicos” (tributo ao Hermê agora, ok?), essas rêmoras do tucanato, essas viúvas do Fernandismo, escrevendo sobre algo, que tempos depois, se tornou – na míope visão deles – o seu pior pesadelo.

Do que estou falando? De Guilherme Fiuza, em 2005, falando (mal) da Dilma.  Imaginem a úlcera desses caras  se  qdo ela ganhar? Imaginem esses caras depois de 8 anos aguentando o “macacão-azul”, o “apedeuta”, o “cabeça-chata”, o “metalúrgico”, o “peão”, o “retirante”, ter que aguentar um ou dois mandatos da “terrorista”?

Eles não suportarão, vão ter que mudar de país (tributo à Copa 2010 agora) vão ter que ir pra Argentina.

Ih rapaz! Tadinha das latinhas, ups, tadinho do argentinos.

ARQUIVO DE ARTIGOS ETC: Guilherme Fiuza:Dilma, uma miragem

Quarta-feira, Junho 29, 2005

Guilherme Fiuza:Dilma, uma miragem

no mínimo

29.06.2005 | É bem verdade que, nos dias de hoje, não ter nenhuma ligação pessoal com Delúbio ou Valério é quase um atestado de idoneidade. Ainda assim, o personagem da super-Dilma, projetado sobre a nova ministra-chefe da Casa Civil, parece estar ligeiramente inflacionado. A distância entre Dilma Roussef e os amigos de seu camarada de armas, José Dirceu, pode ser suficiente para indicar o que ela não é. Só ficou faltando dar uma espiada no que ela é.

Brothers in arms, sei. Agora o que ela é, o Brasil está começando a descobrir, e pela evolução das pesquisas…

Ela é a primeira mulher a assumir a Casa Civil, exalta o noticiário. Esse tipo de coisa definitivamente parece tocar os brasileiros. A primeira mulher, o primeiro operário, o primeiro tesoureiro, e assim por diante. Mas não é só isso, Dilma é justiceira. Arrombou o cofre do corrupto Adhemar de Barros. Ela é macho, como disse Gilberto Gil, sem deixar de ser fêmea, e ainda por cima é técnica, sem deixar de ser executiva – uma gestora dura, sem perder a ternura. Enfim, Dilma é um achado.

“Primeira mulher a assumir a Presidência” (é só eu que acho essa frase excitante?). Por essa vc não esperava né? Agora, acho que a ordem correta é a seguinte: “O primeiro operário, a primeira mulher, o primeiro negro, e assim por diante”. Fêmea? Sobre machismo eu falo no final.


Mas onde andava essa unanimidade nos últimos dois anos e meio, que ninguém reparou direito? Dilma era a ministra das Minas e Energia, e o Brasil acaba de descobrir que a gestão dela por lá foi exemplar. Agora ela vai cuidar do governo como um todo, coordenando a execução dos principais projetos nacionais, e estão dizendo que desta vez o país engrena. Foi pena que Lula não tivesse descoberto essa locomotiva antes.

Aonde ela estava? Trabalhando e evitando conservadores anaeróbicos, uma mídia virulenta e uma oposição golpista? Aguardando o momento pra alçar voos maiores? Ah, puta merda, o mar da história é agitado né? Lula, 75% de aprovação no final do segundo mandato. Só meros 5% (Fiuza incluso) a consideram péssima. Nunca antes na história desse país…

O Brasil está unido torcendo pela super-Dilma, que encarnou o que se poderia chamar de “banda boa” do governo Lula. Parece um movimento saudável, mas não há punição prevista para os antipáticos que quiserem manter um olho na realidade. Na realidade, Dilma Roussef assumiu o ministério das Minas e Energia declarando que as agências reguladoras tinham poder demais. Ou seja, a gestora-política-técnica-conciliadora iniciou sua gestão dizendo que a instituição encarregada de zelar pelas regras do setor de energia elétrica estava prestes a ir pelos ares.

A Dilma passou um pente fino nas indicações do MME. Teve problemas com o PMDB por causa disso. Vcs passaram o pente-fino na gestão dela, no passado dela. Só restou os factóides e as mentiras.

Pode-se imaginar como investidores, acionistas, concessionários, enfim, como o gigantesco mercado do setor elétrico passou a dormir com um barulho desses. O sinal seguinte da ministra não foi menos espetacular: colocou sob suspeita o acordo pelo qual o governo financiaria perdas de 3,5 bilhões de dólares das distribuidoras com a desvalorização do real (1999) e a crise de energia (2001). Dilma deu a entender que considerava aquilo uma colher-de-chá para empresas mal geridas, e que o BNDES não ia pagar.

O modelo que vc critica, colocou o Governo na posição de onde NUNCA devia ter saido: Planejador e regulador. O Mercado vem atrás. Hj não temos risco de falta de energia. Energia é premissa pra crescimento. Crescimento é premissa pra desenvolvimento econômico, e principalmente, desenvolvimento social. O resto é firula.

É claro que essas declarações bombásticas da ministra tiveram muito mais repercussão do que o recuo dela, meses depois. Dilma acabou descobrindo, ou alguém lhe explicou, que o acordo era legítimo e que as empresas como um todo não estavam à beira do colapso por má-fé ou preguiça. O esforço e o tempo perdidos com essa turbulência também não foram, evidentemente, para o topo do noticiário.

Simplificações de um jogo complexo que transcende esse texto. Se vc não sabe disso é ignorante. Se vc sabe, mas não cita, é intelectualmente desonesto.

Depois de embaralhar as cartas, a ministra assumiu o comando da rearrumação da casa. A essa altura, o recado já estava claro: agência reguladora, regras pré-estabelecidas, acordos e todo aquele aparato institucional continuava valendo, desde que tocado pela caneta da fada-madrinha. E se a fada-madrinha queria dizer ao povo que a tarifa de eletricidade estava alta demais, azar o da tarifa – e do sistema existente por trás dela.

Foi mais ou menos com esse espírito que Dilma Roussef lançou as bases de um novo modelo para o setor elétrico (já havia um novo modelo em preparação, mas a ministra não perderia a chance de conceber um novo-novo modelo). A novidade central era a instituição de um leilão nacional de energia, medida já prevista no projeto anterior, mas que Dilma assegurava que reduziria o preço da tarifa para o consumidor. Contra todas as tendências de mercado, no qual a entrada das novas usinas encarece a energia gerada, a varinha da fada-madrinha montou um leilão onde as cotações foram jogadas artificialmente para baixo (niveladas aos menores preços oferecidos).

Isso é história. Pelo visto vc “caiu de paraquedas” na análise do Mercado de Energia. Não vou perder meu tempo. As tarifas são menores, o sistema é confiável e tem planejamento. Sei que, realmente, era difícil pra vc enxergar isso naquela época.

Em outros tempos, essa varinha de condão seria também chamada de Mão de Ferro do Estado. Ou seja, a estratégia da super-Dilma é do tempo em que se acreditava em baixar preços na marra. É um filme com final previsível: ou as empresas estarão novamente asfixiadas logo adiante e precisarão de nova injeção bilionária (prepare-se, contribuinte), ou o prejuízo terá que ser compensado em futuro próximo com um tarifaço (provavelmente depois das eleições).

Aconteceu? Não, né? Se fosse seu leitor cobraria a fatura. Ups, não sou seu leitor e estou fazendo. Foi mal.

Em suas primeiras entrevistas como ministra da Casa Civil – dizendo sempre, em seu timbre quase gritado, ser uma pessoa que gosta muito de ouvir – a nova locomotiva de Lula procurou dar uma idéia de qual será a agenda nacional daqui para a frente. A lista inicial de prioridades é impressionante: continuar a tratar do projeto de transposição do São Francisco, dar uma regada no projeto das parcerias público-privadas, recuperar a malha rodoviária (ou tapar buraco de estrada, como soar melhor) e o item mais empolgante, dar atenção especial “ao conjunto de programas sociais”.

Esta é a agenda inicial da camarada de armas Dilma Roussef, gestora exemplar, técnica com sensibilidade política e nova figura de proa da administração Lula. Quem achava que o governo tem estado meio parado ainda não viu o melhor da festa.

Ah o machismo. Um homem se acostuma a ter uma mulher um degrau abaixo. Falando baixo, não dando ordem. Qdo uma se destaca, se impõe, ou não é mais mulher,  vira “mulher-macho”, ou é taxada de “truculenta”.

Não adoro, não. Odeio, cara. Odeio. Fico furioso. .

Mas melhor não. Melhor  lutar pra ela vencer e ver sua úlcera sangrar pelos próximos 8 anos.

Postado por ARTIGOS às 11:19 PM

5 comentários sobre “Adoooro

  1. Fiuza é um sujeito lamentável. Fica nessa ladainha montonica de crítica pela crítica, naquela confortável posição dos irresponsáveis.

    Esse negócio de posar de intelectual sem produzir absolutamente nada de útil. Assim, após a leitura de um texto desse indivíduo, você sai com a mesma quantidade de dados que entrou. O cara não produz nada, só um modorrento juízo de valor, num texto cheio de adjetivos, mas que analiticamente tende ao zero.

    É chato, cara. Nego sai do texto do sujeito cheio de indignação, toda direcionada ao PT, ou qualquer posicionamento minimamente à esquerda, mas sem saber bem porque. Aí você senta com quem lê um texto do cabra e não consegue engatar uma conversa que saia do lugar comum.

  2. Kkkkk😉

    Adoooro é ótimo!

    Não sou tão informado assim do que a galera fala rsrs, mas, lembrando de suas crônicas sobre Lula e Dilma (que qualquer dia penso em citar na parte particular dos comentaristas no Blog Luís Nassif, já as citei no Cidadania), também podemos dizer que você “arrasou”!

    Isto é válido, também, pra esses artigos comentados por você em “vermelho”, claro.

    Grande abraço.

      1. hehe. Então se puder recuperar do seu rascunho e colocar aqui em comentário… Aposto que deve ser algo divertido!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s