George Lakoff (The Political Mind) no Estadão


Estadão: Em um país com sério déficit educacional, como o Brasil, o eleitor fica mais suscetível à manipulação?
Lakoff: Não tem nada a ver. Pessoas com um alto grau de educação ainda são manipuladas…

Entrevista interessante do Lakoff. Eu já havia lido um artigo sobre seus livros qdo comecei a ler sobre neuroeconomia, mas a falta de tempo me impediu de ler os livros deles.

Tá ai uma boa meta, ler os principais até outubro de 2010. A interessante entrevista segue abaixo (ou no site do Estadão).

Para neurolinguista de Berkeley, voto não é decisão racional – nacional – Estadao.com.br

Para neurolinguista de Berkeley, voto não é decisão racional

Em entrevista ao ‘Estado’, George Lakoff diz que mesmo quem tem alto nível educacional pode ser manipulado em uma campanha


24 de abril de 2010 | 18h 20

Lucas de Abreu Maia, de O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO – George Lakoff é um renomado neurolinguista da Universidade da Califórnia, Berkeley. Mas foi seu ativismo político que o levou a dar palestras nos quatro cantos dos Estados Unidos – dos auditórios de universidades a comícios eleitorais.

Lakoff dedica estudos para entender divisão entre progressistas e conservadores

Lakoff é um apoiador ferrenho do Partido Democrata e dedica grande parte de sua vida acadêmica – e de seus nove livros – a entender a divisão entre progressistas e conservadores no seu país. O resultado deste trabalho foi uma teoria cognitiva da política.

Para ele, o conceito tradicional de razão não consegue explicar o modo como os eleitores escolhem seus candidatos. Emoções, subjetividades e metáforas seriam mecanismos inerentes ao nosso cérebro e, portanto, inevitáveis.

Nesta entrevista ao Estado, Lakoff explica estes conceitos e tenta remetê-los à política brasileira. Ele afirma que mesmo um presidente com 80% de aprovação pode ser derrotado pela oposição, desde que os opositores saibam se comunicar com o público.

Segundo ele, para vencer uma eleição é necessário “capacidade de falar e ser entendido por todos; transmitir uma sensação de confiança; e ter uma imagem com a qual o eleitor possa se identificar”.

O cientista aborda ainda o fortalecimento do movimento conservador nos EUA e na Europa, e fala sobre questões como empatia, importância da educação na política e os diversos conceitos de democracia.

Por fim, Lakoff advoga por um “novo iluminismo”, que abandone a noção de uma razão absoluta e lógica, e que incorpore as descobertas científicas acerca da mente humana.

No livro The Political Mind (A Mente Política, em tradução livre), o sr. afirma que progressistas e conservadores têm formas de pensar distintas e inconciliáveis. Progressistas veriam o governo como um “pai cuidadoso” – que protege e oferece possibilidades aos cidadãos -, enquanto conservadores encarariam o Estado como um “pai austero” – a quem cabe ensinar uma rígida disciplina. Até que ponto esta metáfora pode ser exportada para outras partes do mundo?

Muita gente tem as duas formas no cérebro simultaneamente e variam o seu uso. O cérebro tem determinados circuitos, chamados “inibição mútua”, em que a ativação de uma forma de pensamento inibe a outra.

Por isso, as pessoas podem ser conservadoras em alguns aspectos e liberais em outros, desde que em questões políticas diferentes. Fizemos um estudo empírico com um grupo, durante uma eleição na Califórnia, e vimos que isso acontece com 18% dos eleitores.

Temos descoberto que o mesmo ocorre na Espanha, com as mesmas duas formas de pensar, apesar de o país ter muitos partidos políticos. Os eleitores fazem diferentes combinações das formas de pensar progressista e conservadora – eles aplicam uma combinação se são social democratas, outra se são democratas cristãos, e assim por diante.

Isso também vale para a Alemanha. Ou seja: estas formas de pensar se aplicam à Europa – certamente se aplicam à Espanha e à Itália -, mesmo em sistemas multipartidários.

Então só há estas duas formas de pensar politicamente? Elas são universais?

Não. Um dos meus alunos fez um estudo na China e descobriu que há uma outra forma de pensar, que reflete a estrutura familiar chinesa. Não sabemos quão difundidas são as formas de pensar conservadora e progressista, mas esta estrutura certamente funciona na Europa e em países com influência cultural europeia.

Na América Latina, por exemplo?

A América Latina seria uma possibilidade. Mas esta é uma pergunta empírica, simplesmente não dá para dizer. Não se sabe exatamente onde funciona e onde não funciona. O que nós sabemos é que não parece ser universal. O que parece ser universal, contudo, é que a política aparentemente depende muito da estrutura familiar. Mas ainda há muita pesquisa a se fazer.

O senhor defende o uso de enquadramentos ideológicos e metáforas nos discursos políticos. É possível fazê-lo sem manipular o eleitor?

A primeira coisa a ser entendida é que nós sempre vemos o mundo através de um prisma ou de metáforas. São formas de pensar às quais recorremos todos os dias. Não se pode pensar sem enquadramentos ideológicos, e provavelmente mais da metade dos seus pensamentos são metafóricos. Além disto, a organização política da mente baseia-se sempre em sistemas morais – frequentemente com origem na estrutura familiar. E os pontos de vista ideológicos são organizados dentro destes sistemas. Pontos de vistas são independentes da linguagem – é a língua que se adapta a eles. Por isso, uma mesma palavra pode ter significados diferentes para pessoas diferentes. No debate sobre a reforma do sistema de saúde nos EUA, por exemplo, os conservadores encaravam a questão como um problema de “liberdade” e, portanto, um problema moral. Os Democratas, por outro lado, lidavam com a polêmica como uma questão política e, por não discutirem o tópico no plano moral, perderam muito apoio.

Em que medida entender como o cérebro processa as metáforas importa no debate político?

Importa muito! Conservadores frequentemente estudam marketing e sabem como vender ideias. Sabem usar enquadramentos ideológicos, construção de narrativas, metáforas e emoções de maneira muito eficaz. Mas progressistas, nos EUA, tendem a estudar outros campos: eles se dedicam à ciência política, às políticas públicas, ao direito e à economia. E esses campos tendem a ignorar o funcionamento do cérebro. Estuda-se a razão iluminista – de acordo com a qual pessoas pensam em termos da lógica formal, de forma literal e sem emoções. As emoções atrapalhariam a capacidade de raciocínio. Com isso, perde-se a maior parte do que foi aprendido com a neurociência. E um dos problemas é que não se entende como a comunicação funciona. Os progressistas continuam cometendo erros e não compreendem o tipo de sistema de comunicação que os conservadores desenvolveram nos EUA. Conservadores têm institutos para treiná-los e expô-los na televisão e no rádio, têm redes de especialistas, têm linguistas para explicar qual a forma mais efetiva de comunicação. Mas os progressistas não entendem isso. Eles acreditam que basta falar dos detalhes políticos para serem claros. Só que isso nunca é o bastante. O resultado é que os conservadores se fortalecem.

Barack Obama, na campanha presidencial, teria usado as estratégias de comunicação de forma adequada?

Durante a campanha, ele usou os prismas ideológicos brilhantemente – usaram todos os meus livros (risos). Foi quase perfeito. Mas desde que se tornou presidente, ele adotou um estilo de comunicação diferente. Meio que se esqueceu de tudo o que foi feito na campanha – e isso tem sido muito custoso.

O senhor afirma que é mais fácil mudar a forma como o eleitor pensa depois de um trauma. O Brasil, no entanto, vive a situação oposta: o presidente atual tem cerca de 80% de aprovação. É possível, numa situação como esta, convencer o eleitor a votar na oposição?

Não conheço o suficiente da política brasileira, mas posso especular. Se existirem, no Brasil, eleitores que chamo de “biconceituais” – ou seja, que variam entre dois sistemas de pensamento -, e se a oposição tiver uma comunicação excelente (e souber como explorá-la), então é possível mudar a situação independentemente da popularidade do governo. Por exemplo, depois da saída de Bill Clinton, os Estados Unidos estavam numa ótima posição econômica, mas George Bush conseguiu comunicar-se muito bem, enquanto Al Gore era péssimo.

Há estudiosos que afirmam que o Brasil é um País que tende à esquerda. Por que os países variam tanto no espectro ideológico?

Não sabemos com certeza. Suspeito que tenha relação com a cultura. Suspeito também que tem a ver com a sofisticação política da esquerda em comparação com a direita. Mas, novamente, precisaria conhecer um pouco melhor o Brasil para responder corretamente.

Mas o mesmo certamente se aplica a países na Europa.

Mas aí a situação fica complicada. A Holanda, por exemplo, tem problemas com imigração. Existem questões sérias de racismo nestes países. Conservadores estão avançando no norte da Europa, na Holanda, na Alemanha e em outros países, e estão indo muito bem na Inglaterra atualmente. E, em alguma medida, têm contratado consultores políticos americanos. Os conservadores europeus estão tentando conquistar espaço usando as técnicas dos conservadores americanos.

O senhor argumenta que a forma de pensar dos conservadores é intrinsecamente autoritária. É possível um governo ser conservador e democrático?

Depende do que você define como “democrático”. Uma das melhores coisas que Barack Obama escreveu foi sobre Democracia. Ele caracteriza a democracia americana como fundamentalmente baseada em empatia, na habilidade de se preocupar com o próximo. E é por isso que existem princípios como justiça e liberdade para todos. E é por isso que a missão do governo seria a de proteger e oferecer possibilidades aos seus cidadãos. Esta é a visão progressista, que projeta na política a estrutura familiar do pai carinhoso. É uma forma de encarar a democracia. Mas conservadores têm uma maneira totalmente diferente de entender o que democracia significa. Eles acreditam que os ricos e bem-sucedidos devem ter mais poder, porque merecem isso. Democracia seria uma espécie de meritocracia. Deve haver grandes diferenças de renda, pessoas que não são disciplinadas o bastante devem ser pobres. E chamam isso de democracia, porque eles encaram a democracia como uma fonte de oportunidades para quem é disciplinado.

Diz-se que, nesta eleição presidencial brasileira, os principais candidatos têm uma visão política e econômica muito próxima. Como diferenciar candidatos que compartilham de uma mesma forma de pensar?

Ah, de muitas maneiras. Primeiramente, um candidato pode acreditar em pequenas ou em grandes mudanças. Um outro fator é a prioridade de cada candidato. Alguns podem priorizar políticas ambientais, outros a saúde pública, outros a política externa e assim por diante. Pode-se ter os mesmos valores e prioridades diferentes. Falo muito disso em Moral Politics (Política Moral, em tradução livre), meu primeiro livro sobre o assunto. As pessoas simplesmente têm diferentes maneiras de decidir o que fazer e em que momento. Além disso, há muitos tipos de progressistas: há quem ache que o problema está na distribuição de renda, outros se preocupam com a questão racial, há ainda os ambientalistas Etc.. Isto acontece porque existem diferenças dentro de uma mesma forma de pensar.

Em um país com sério déficit educacional, como o Brasil, o eleitor fica mais suscetível à manipulação?

Não tem nada a ver. Pessoas com um alto grau de educação ainda são manipuladas. Nas eleições, as questões mais importantes têm a ver com valores morais e com o modo como são comunicados. Têm a ver com a capacidade de se conectar com as pessoas, ou seja, falar e ser entendido por todos; com transmitir uma sensação de confiança; e com ter uma imagem com a qual o eleitor poça se identificar. Chamo isso de autenticidade. Se você parecer autêntico, se compartilhar os valores da população, se o eleitor puder se identificar e confiar em você, então votarão em você. E não é apenas uma questão educacional. É questão de ter uma capacidade básica de se ligar às outras pessoas, de sentir empatia, de se preocupar com outros, de saber com quem se identificar e em quem não confiar. Uma das coisas bacanas da democracia é que ela apela a estas questões, não apenas à educação.

O senhor afirma que a empatia é inerente ao homem e a base da democracia. Mas qual seria o papel político do egoísmo?

Lembre-se de que a empatia é essencial para a sobrevivência. É ela que permite a formação de grupos sociais e nos faz cooperar – e cooperação é crucial para sobreviver. Sim, existem interesses pessoais – o que é muito sério -, e sim, existe empatia – o que também é muito sério. A ideia de que somos naturalmente egoístas está errada. A pergunta então passa a ser: como criamos nossos filhos para sentirem empatia pelo próximo? Temos que entender que a criação importa muito, precisamos de instituições públicas que dependam de cooperação, devemos ter um governo em que pessoas se preocupem com o próximo…

O senhor defende um “novo iluminismo”. O quê isso significa? É realista acreditar em um “novo iluminismo” em escala global?

Espero que sim, mas sei que é difícil. Um novo iluminismo implica entender os avanços da neurociência e das ciências cognitivas – o que inclui perceber que a empatia tem um papel imenso nas interações humanas e que a ideia de democracia depende disto. precisamos entender como a mente realmente funciona: um conjunto de circuitos neurais que envolvem prismas ideológicos, metáforas e a construção inconsciente de narrativas. Precisamos entender que as emoções são parte da razão e que nem todo mundo pensa do mesmo jeito. Precisamos entender que sistemas morais são fundamentalmente metafóricos – e não vêm de uma razão universal. E precisamos entender que existem muitos sistemas morais diferentes e que a política é fundamentalmente baseada na moralidade. Tudo isso requer uma nova compreensão do que o nosso cérebro é e do que nossa sociedade significa. Esta é a definição de um novo iluminismo.

Neurolinguista explica porque emoções influenciam no voto – nacional – Estadao.com.br

Neurolinguista explica porque emoções influenciam no voto
Estudioso de Berkley, George Lakoff é ativista do Partido Democrata dos Estados Unidos
24 de abril de 2010 | 18h 29

Lucas de Abreu Maia, de O Estado de S.Paulo

Quando decidiu publicar The Political Mind (A Mente Política) em 2008, o neurolinguista George Lakoff tinha um objetivo claro: ajudar o Partido Democrata a vencer as eleições presidenciais americanas daquele ano. A consequência deste engajamento político é uma promiscuidade entre ciência e ideologia – raramente uma combinação saudável. Proselitismo a parte, o livro traz, de fato, uma nova perspectiva sobre o comportamento dos eleitores. Se, na política brasileira, já sabíamos desde 1989 que alcançar as emoções do eleitor é fundamental para angariar seu voto, agora a neurociência explica o porquê.

Veja Também

Para neurolinguista de Berkley, voto não é decisão racional

A teoria de Lakoff se baseia em duas premissas básicas: primeiro, o cérebro lida com a realidade por meio de metáforas e pontos de vista subjetivos. Segundo, o modo como entendemos a política está sujeito a nossos valores morais. O livro descreve em detalhes dois sistemas morais distintos e irreconciliáveis: conservador e progressista. Em comum, ambos projetariam no governo uma metáfora da estrutura familiar; a dissensão ocorre quanto às qualidades da figura paterna. Para os conservadores, o governo representa um pai austero, que ensina uma rígida disciplina a seus filhos, mas os deixa a seus próprios meios uma vez cumprida sua educação. Os progressistas, por sua vez, veem no Estado a imagem de um pai atencioso e sempre presente, que protege e oferece oportunidades aos filhos.

Aceitar estas premissas joga uma luz sobre os aspectos inconscientes do voto, e permite entender que nossas escolhas eleitorais não são respostas imediatas a problemas específicos, mas, sobretudo, refletem nossa moral.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s